Reporter Coagida

Repórter do SBT é intimidada ao vivo por dois homens, e peita: “Liberdade de expressão cerceada”; assista

Branca Andrade foi interrompida enquanto tentava falar sobre a greve de funcionários do BRT, em um terminal na Barra da Tijuca

Dois homens não identificados interromperam o trabalho da repórter Branca Andrade, do “SBT Rio”, nesta sexta-feira (25). A jornalista estava ao vivo para falar da greve de funcionários do BRT, quando os sujeitos entraram em sua frente e tentaram a impedir de seguir com sua passagem. A emissora e a administradora do terminal em que Branca estava se manifestaram sobre o caso.

Branca caminhava pelo terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, até ser atrapalhada pelos rapazes – que se identificaram como seguranças. “A gente estava a caminho da passarela para poder entrar ao vivo e dar o serviço para a população”, disse ela, quando um dos homens entrou em sua frente. “Olha só, o senhor está no ar e ao vivo. O senhor me dê licença, está atrapalhando o meu trabalho”, pediu Andrade.

Reporter Coagida3
A repórter Branca Andrade foi interrompida diversas vezes enquanto noticiava a paralisação de funcionários do BRT no Rio. (Foto: Reprodução/SBT)

Sem sucesso, a repórter ficou cada vez mais nervosa e com a voz trêmula pela situação. “Eu estou aqui para mostrar que o BRT parou de trabalhar e funcionar nesta madrugada e a população está sem conseguir embarcar. Neste momento, nós estamos tendo a nossa liberdade de expressão cerceada aqui pelo segurança”, continuou ela. Enquanto os rapazes se colocavam à frente da câmera, o cinegrafista tentou encontrar ângulos para mostrar a jornalista.

Continua depois da Publicidade

Em determinado momento, a dupla pisou num fio e cortou o contato de Branca com a apresentadora Isabele Benito. “Eles nem estão uniformizados. Quem são esses dois? […] A mando de quem eles estão aí?”, questionou a âncora com indignação, até que o contato com a repórter foi retomado. “Eles se dizem funcionários, mas não utilizam uniformes da concessionária ou da BRT. Neste momento a minha imagem não aparece porque as costas deste funcionário que não foi identificado está na frente”, pontuou Branca. A repórter perguntou os nomes, mas não teve resposta.

Assista ao vídeo na íntegra abaixo:

Administradora do terminal se manifesta

O diretor de jornalismo do “SBT Rio”, Diego Sangermano, expressou sua revolta sobre o caso nas redes sociais. Segundo ele, a assessoria da Rioter, que cuida dos terminais do Rio de Janeiro, disse que a empresa busca identificar quem são os homens que atrapalharam o trabalho da repórter. “Ainda segundo a assessoria, todos os funcionários oficiais estão uniformizados. Medidas cabíveis estão sendo tomadas pela empresa”, escreveu ele no Twitter.

Procurada pelo Notícias da TV, a Rioter afirmou que os envolvidos não eram funcionários da empresa. “Nossos vigilantes trabalham uniformizados. Fomos informados do ocorrido através de redes sociais. Divulgamos os vídeos encaminhados pelo SBT no intuito de conseguirmos identificar essas pessoas, o que até o momento não aconteceu”, disse a empresa, prometendo apurar o caso.

SBT expressa repúdio

Na tarde de hoje, o SBT criticou o episódio com Branca Andrade e o cinegrafista Edson Santos, reforçando o papel do jornalismo de denunciar o que ocorre na cidade. “O jornalismo presta um serviço essencial para a população e não deve sofrer nenhum tipo de censura. Depois da repercussão imediata do caso na TV aberta e redes sociais e manifestação de diversas autoridades, inclusive do prefeito do Rio Eduardo Paes, a equipe conseguiu realizar seu trabalho e informar os telespectadores sobre os efeitos da paralisação”, disse a nota à imprensa.

Continua depois da Publicidade

A emissora também agradeceu pelo apoio dos policiais, que compareceram ao local após a confusão no terminal. “O SBT agradece também à Polícia Militar do Rio de Janeiro que prontamente foi até o local para garantir a integridade dos profissionais e pede a imediata identificação dos envolvidos”, concluiu o texto. Leia a íntegra:

Branca Andrade quebra o silêncio

Horas após o ocorrido, Branca Andrade voltou às redes sociais para falar sobre o caso, dizendo estar bem depois do que viveu. “Quem assistiu ao vivo ao SBT Rio hoje viu o que aconteceu. Eu ainda não consegui postar aqui nada. Eu só quero dizer, por enquanto, que eu estou bem. Parei para almoçar agora. Já tô almoçando com a minha filha. Tá tudo bem. Assim que eu sentar e me acalmar, me liberar, vou responder todo mundo na medida do possível”, iniciou ela.

Continua depois da Publicidade

A repórter agradeceu pelas mensagens de solidariedade, deixando claro que estava apenas fazendo seu trabalho no terminal. “Obrigada pelo apoio, muita gente me mandando mensagens de apoio, me elogiando, me agradecendo, preocupados, enfim. Tá tudo bem, tá tudo bem, ok? O importante é isso, a gente brigar pra ter voz, pra mostrar o que precisa ser mostrado, e é isso. Eu estava só fazendo o meu trabalho e é o que eu pretendo continuar fazendo sempre”, disse a jornalista.

Caso gera revolta na web

O vídeo de Branca Andrade sendo interrompida viralizou nas redes sociais, figurando entre os assuntos mais comentados no Twitter. Várias personalidades, como o próprio prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, demonstraram apoio à jornalista e a elogiaram por sua bravura ao não se intimidar pelos supostos seguranças. “Suco de Rio de Janeiro! Homens impedem o trabalho de repórter na Barra da Tijuca, distrito financeiro de Rio das Pedras DC. Viva a coragem da repórter Branca Andrade!”, disse Marcelo Adnet.

Veja algumas reações abaixo:

Continua depois da Publicidade

Continua depois da Publicidade