Fotojet (6)

Repórter e cinegrafista de afiliada da Record TV são agredidos em meio a reportagem sobre briga de bar em Santa Catarina – Assista

Quem pensa que vida de jornalista é fácil, está muito enganado! O repórter Ronaldo Daros e o cinegrafista Ricardo Alves, da NDTV, afiliada da Record TV em Santa Catarina, são a prova disso. Na noite de ontem (15), eles tentavam registrar uma confusão em um bar no centro de Joinville, quando, em meio à reportagem, foram surpreendidos e agredidos.

O momento violento foi registrado em vídeo por testemunhas que frequentavam a Choperia Dona Francisca, local do ocorrido. Nas imagens, é possível ver o repórter sendo atacado dentro do próprio carro. Confira:

Segundo Daros, ele e o cinegrafista estavam retornando da cobertura de outra ocorrência quando pararam em frente ao local para apurar uma disputa entre os funcionários e frequentadores do bar. No momento em que retirou o celular do bolso para registrar a cena, Ronaldo revelou ter sido impedido, e então a dupla se viu cercada pelos agressores.

“Eles começaram a bater no carro. O cinegrafista saiu para pedir para pararem e nesse momento, um dos agressores abriu a porta e começou a me bater. Perdi as contas de quantos socos me deram. Em todo momento. eles pediam para apagar o vídeo me ameaçando, dizendo ‘vou te matar’. Mas como estava com cinto de segurança, não conseguia fugir para o outro lado do carro. Foi um ato muito covarde”, lamentou o repórter.

Continua depois da Publicidade

Ainda de acordo com o relato da equipe, as agressões só pararam depois que Ronaldo afirmou que apagaria o registro de seu aparelho celular. Para garantir que as imagens fossem deletadas, um homem pulou em cima do para-brisa do veículo, o que acabou quebrando o vidro. “Pulou com os dois pés e o cinegrafista acelerou, apavorado. Estávamos muito assustados e em pânico”, disse Daros. Na sequência, o jornalista e cinegrafista conseguiram fugir.

Continua depois da Publicidade

Ao site ND+, portal da emissora, Ronaldo e Ricardo revelaram que o Grupo ND se comprometeu em fornecer apoio psicológico e jurídico a ambos. A empresa, no entanto, ainda não se manifestou oficialmente. Infelizmente, ninguém foi preso no momento das agressões, porém o caso foi registrado na 7ª Delegacia de Polícia Civil de Joinville.

Desde então, autoridades estão tentando identificar os suspeitos usando as imagens feitas pelos frequentadores da choperia. “O sentimento é de muita tristeza, pois já chegaram batendo, nem falaram nada antes. Os jornalistas hoje em dia estão totalmente desprotegidos”, concluiu Ronaldo.