David Schwimmer defende “Friends” após nova geração de fãs problematizar detalhes da trama, e revela sua maior preocupação com a série na época: “Fiz campanha por anos”

“Friends” acabou há mais de 15 anos, mas continua sendo uma das séries mais queridas pelo público – inclusive pelas novas gerações, que descobriram a produção através dos serviços de streaming. No entanto, com a nova leva de fãs jovens do seriado, surgem também as problematizações em cima dos personagens e histórias sobre os seis amigos nova-iorquinos.

A série, exibida de 1994 até 2004, quebrou barreiras em sua época — no entanto, hoje em dia, detalhes de sua trama relacionados à diversidade, comentários homofóbicos e até o relacionamento entre Rachel e Ross, desagradaram novos espectadores e tomaram as manchetes da mídia. Porém, de acordo com o astro David Schwimmer, ele não se importa com nada disso.

“Não me importo. A verdade é também que a série foi inovada em seu tempo pelo modo como lidou com sexo casual, sexo com proteção, casamento gay e relacionamentos. O piloto do seriado mostra que a esposa do meu personagem o deixou por uma mulher, e há casamento gay, da minha ex e sua esposa, o qual eu compareci”, lembrou o astro ao jornal The Guardian. “Eu sinto que muito dos problemas hoje, em tantas áreas, é que muita pouca coisa é levada no contexto. Você precisa olhar para isso do ponto de vista do que a série estava tentando fazer na época”, afirmou.

Ross e Julie, sua namorada asiática (Foto: Reprodução/NBC)

“Eu sou a primeira pessoa a dizer que, talvez, algo seja inapropriado ou insensível, mas eu sinto que meu barômetro era muito bom na época. Eu já estava bastante ligado nos problemas sociais e problemas de igualdade”, o nosso eterno Ross acrescentou.

Durante “Friends”, o personagem de David namorou tanto uma mulher asiática, quando uma negra. No entanto, a diversidade na série era limitada. “Talvez, deveria haver um ‘Friends’ com elenco totalmente negro, ou um elenco totalmente asiático”, ele sugeriu durante a entrevista. “Mas eu estava ciente da falta de diversidade, e eu fiz campanha por anos para que Ross namorasse uma mulher [que não fosse branca]. Uma das primeiras namoradas que eu tive na série era uma mulher asiática, e depois eu namorei uma negra. Foi um esforço muito consciente da minha parte”, revelou.

Ross e Charlie (Foto: Reprodução/NBC)

O ator também fez questão de mencionar como a série abordou o judaísmo em certos personagens, dizendo que, apesar de não ter sido inovador, foi algo que o deixou feliz pelo “modo como ‘Friends’ reconheceu as diferenças religiosas”.