William Bonner faz discurso impactante no Jornal Nacional sobre número de mortes do coronavírus e movimenta redes sociais; Assista

A abertura do Jornal Nacional desta quarta-feira (06), da TV Globo, causou uma grande comoção nos telespectadores e foi parar no topo dos assuntos mais comentados do Twitter. Com um discurso marcante, o editor-chefe do noticiário, William Bonner, propôs uma reflexão ao público sobre a pandemia do novo coronavírus, especialmente sobre seu impacto no Brasil.

Em sua fala, Bonner destacou a “diluição” do baque no número de mortes provocadas pela Covid-19 — no nosso país, já somam 8,5 mil vítimas fatais. “Você já nem deve lembrar, mas na quinta passada, eram 5.901 mortos. Os números vão aumentando desse jeito, cada vez mais rápido, vão dando saltos, e vai todo mundo se acostumando, porque são números”, iniciou.

O número muito grande de mortes, de repente, num desastre, sempre assusta, as pessoas levam um baque. Morreram mais de 250 pessoas em Brumadinho. É uma tragédia. Nos EUA, em 2001, morreram quase 3 mil nos atentados do 11 de setembro. 3 mil, assim… de repente. Mas quando as mortes vão se acumulando ao longo dos dias e das semanas como acontece agora na pandemia, esse baque se dilui e as pessoas vão perdendo a noção do que seja isso”, relatou. E acrescentou: “8 mil vidas acabaram. Eram vidas de pessoas amadas por outras pessoas, pais, filhos, amigos, irmãos, conhecidos… Aí o luto dessas tantas famílias vai ficando só pra elas, porque as outras pessoas já não têm nem como refletir sobre a gravidade dessas mortes todas, que vão se acumulando todo dia”. 

E ele concluiu: “Hoje são 8.500. Amanhã, a gente não sabe, Quando é assim, o baque só acontece quando quem morre é um parente, um amigo, um vizinho ou uma pessoa famosa”. Assista:

Nas redes sociais, as reações destacaram como o discurso foi marcante e necessário. Também elogiaram o apresentador. “Que pedrada”, disse um usuário. “Irretocável”, disse outro. Confira todas: