Fotojet (14)

Inadmissível! Jovem gay é vítima de agressões e estupro coletivo em Florianópolis, e tem corpo tatuado com ofensas homofóbicas

[Aviso: O post abaixo contém informações sensíveis e pode despertar gatilhos]

Revoltante e de embrulhar o estômago! Na última segunda-feira (31), um jovem gay de 22 anos foi vítima de um crime brutal em Florianópolis, Santa Catarina. O rapaz teria sido violentado com objetos cortantes e sofrido um estupro coletivo por outros três homens. Segundo informações da DPCAMI (Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso), a vítima ficou extremamente ferida e foi encaminhada em estado grave para um hospital.

Continua depois da Publicidade

Apesar de ter ocorrido no início da semana, o caso só ganhou repercussão nessa sexta-feira (4), após ser tema de uma reportagem do “Cidade Alerta SC”. Segundo o telejornal, o jovem em questão ainda teve ofensas homofóbicas tatuadas em seu corpo pelos criminosos. Horrorizante! A 5ª Delegacia de Polícia da Capital mantém as investigações em sigilo, em proteção da vítima, e trata a ocorrência como um crime de ódio e intolerância.

O episódio bárbaro também passou a ganhar destaque nas redes sociais, visto que ocorreu em pleno mês do orgulho LGBTQIA+. A presidente da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero da OAB Santa Catarina, Margareth Hernandes, se manifestou e lamentou o caso em seu perfil no Instagram, aproveitando para registrar também queixas ao presidente da República, Jair Bolsonaro, e outros governantes em seu texto.

“Mais um dia de violência no país que mais mata homo e transexuais no mundo. Essa violência que cresce assustadoramente com o incentivo de algumas igrejas, do presidente da República, de alguns prefeitos, governadores e parlamentares. Discursos de ódio são aplaudidos e, por conta desses aplausos, pessoas morrem de forma cruel, porque seus algozes se encontram legitimados por um governo genocida e homofóbico. Até quando? Minha solidariedade aos familiares e especialmente à mãe da vítima! Na torcida para que ele se salve e se recupere o mais rápido possível”, escreveu.

Fazemos das palavras de Margareth, as nossas. Até quando atrocidades como essas terão espaço para acontecer em nossa sociedade? É exaustivo e entristecedor saber que elas ainda ocorrem, constantemente, diante dos nossos olhos. Que a Justiça seja feita e que os responsáveis por esse terrível caso não saiam impunes por seus atos.