Monark 3

Monark defende existência de partido nazista e direito de ser “anti-judeu”, perde patrocinadores, e se manifesta: ‘Estava bêbado’; assista

Falas feitas pelo apresentador durante podcast geraram onda de críticas e revolta nas redes

O apresentador do podcast “Flow”, Bruno Aiub, mais conhecido como Monark, defendeu a existência de um partido nazista no Brasil que fosse reconhecido por lei. A declaração foi feita nesta segunda-feira (7), em meio a um debate com os deputados federais Kim Kataguiri (DEM-SP) e Tabata Amaral (PSB-SP).

Monark começou seu discurso dizendo que, em sua opinião, a “esquerda radical tem muito mais espaço do que a direita radical“, no nosso país: “As duas tinham que ter espaço, na minha opinião. Eu sou mais louco que todos vocês. Eu acho que o nazista tinha que ter o partido nazista reconhecido pela lei”. Imediatamente, o apresentador foi rebatido por Tabata.

Continua depois da Publicidade

“Lembre que a liberdade de expressão termina onde a sua expressão coloca a vida do outro em risco. O nazismo é contra a população judaica e isso coloca uma população inteira em risco”, frisou a parlamentar. “De que forma [isso acontece]? Quando [o nazismo] é uma minoria, não põe. Era [um risco] quando era uma maioria”, emendou Bruno, sem considerar o Holocausto na 2ª Guerra Mundial, que matou seis milhões de judeus pelo nazismo. “A questão é: se o cara quiser ser anti-judeu, eu acho que ele tem o direito de ser”, continuou.

Em outro momento da conversa, Kataguiri também defendeu que o nazismo não seja criminalizado. Segundo ele, a melhor forma de repreender discursos de ódio seria liberá-los, para que assim, fossem — supostamente — “rechaçados” pela opinião pública.

“Qual é a melhor maneira de reprimir um discurso de ódio, discriminatório e preconceituoso? Esse é o cerne da questão. É criminalizar ou é deixar que a sociedade tenha uma rejeição social contra isso?”, tentou argumentar o líder do MBL. “Kim, você acha que é errado a Alemanha ter criminalizado o nazismo?”, questionou Tabata, ao que o parlamentar respondeu: “Acho”.

Coletivos judaicos se manifestam

As falas antissemitas de Monark foram condenadas por coletivos judaicos. Para a Federação Israelita de SP, a declaração foi “absolutamente inaceitável”. “Manifestações como essa evidenciam o grau de descomprometimento do youtuber com a democracia e os direitos humanos”, pontuou, em nota. A Conib (Confederação Israelita do Brasil) repudiou a ideia de criar-se um partido nazista no Brasil. Veja os comunicados na íntegra:

Federação Israelita SP

“Na noite dessa segunda-feira (7), o host do “Flow Podcast”, Bruno Aiub, o Monark, manifestou-se de modo absolutamente inaceitável enquanto entrevistava os deputados federais Kim Kataguiri e Tábata Amaral. Aiub defendeu, de forma expressa, o direito de alguém querer ser anti-judeu, bem como o direito à existência de um partido nazista no Brasil.

Continua depois da Publicidade

Mesmo contestado pela deputada Tábata Amaral, Monark insistiu que suas falas estariam escudadas no princípio da liberdade de expressão, demonstrando, a um só tempo, desconhecer a história do povo judeu, e a natureza de um princípio constitucional essencial, muitas vezes deturpado por aqueles que insistem em propagar um discurso que incita o ódio contra minorias. 

Nós, da Federação Israelita do Estado de São Paulo, repudiamos de forma veemente esse discurso e reiteramos nosso compromisso em combater ideias que coloquem em risco qualquer minoria. Manifestações como essa evidenciam o grau de descomprometimento do youtuber com a democracia e os direitos humanos”.

Conib

“A Conib (Confederação Israelita do Brasil) condena de forma veemente a defesa da existência de um partido nazista no Brasil e o ‘direito de ser antijudeu’, feita pelo apresentador Monark, do Flow Podcast. O nazismo prega a supremacia racial e o extermínio de grupos que considera ‘inferiores’. Sob a liderança de Hitler, o nazismo comandou uma máquina de extermínio no coração da Europa que matou 6 milhões de judeus inocentes e também homossexuais, ciganos e outras minorias. O discurso de ódio e a defesa do discurso de ódio trazem consequências terríveis para a humanidade, e o nazismo é sua maior evidência histórica”.

Continua depois da Publicidade

Já o coletivo Judeus pela Democracia usou as redes sociais para cobrar os patrocinadores do Flow Podcast por uma atitude: “Ideologias que visam a eliminação de outros têm que ser proibidas. Racismo e perseguições a quaisquer identidades não são liberdade de expressão”. Daniel Douek, diretor do Instituto Brasil-Israel, também sugeriu que o público pedisse a grandes empresas que deixassem de financiar o programa.

“Pressionar plataformas e patrocinadores pelo estabelecimento de critérios e padrões de publicação, em vez de insistir na tentativa de convencimento daqueles que emitem discursos discriminatórios é muito mais efetivo. E nem haverá tempo para lidar com todos aqueles que se manifestam. Mas plataformas e patrocinadores normalmente não desejam associar sua marca a discursos de ódio”, declarou ele, ao Yahoo! Finanças.

Empresas pulam fora

Algumas empresas, inclusive, já estão tomando atitudes. A primeira a pular fora foi a Flash Benefícios, que soltou uma nota de repúdio às declarações de Monark: “No último dia 07 de fevereiro, durante a exibição do episódio 545 do Flow Podcast, um dos apresentadores fez comentários inadmissíveis e dos quais discordamos de forma veemente. Diante disso, solicitamos o encerramento formal e imediato de nossa relação contratual com os Estúdios Flow”.

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) também anunciou o encerramento da parceria com o canal de streaming “Flow Sport Club”, que transmitiria 16 partidas do Campeonato Carioca de 2022. O iFood, que patrocinou o canal por meses, informou ao UOL que encerrou seu contrato com o Flow em novembro, “de maneira definitiva”, deixando evidente o descontentamento com a linha editorial do programa.

A Insider Store, rede de vestuário, foi outra que retirou seu patrocínio: “A gente está suspendendo qualquer tipo de parceria com o podcast Flow e do nosso lado também exigindo a saída do Monark do podcast. A gente acredita que mensagens de ódio não podem ser disseminadas para a população”. Já a plataforma Finclass pontuou que fez apenas uma ação com o podcast no passado, e não é uma das patrocinadoras. “A Finclass repudia veementemente as declarações e ideias expressas durante o último Flow Podcast, transmitido nesta segunda-feira, 07/02/22. Esclarecemos ainda que a Finclass não é uma das patrocinadoras do podcast. Fizemos apenas uma ação pontual no passado, e pedimos para que nosso logo fosse retirado do mídia kit – um pedido que reforçamos aqui mais uma vez”, informou a empresa ao jornalista Gabriel Perline, do Ig Gente.

O grupo Habib’s, dono do fast food Ragazzo, fez um pronunciamento parecido: “Em relação à recente polêmica envolvendo o Flow Podcast, a companhia esclarece que realizou no passado ações pontuais com o canal e que atualmente não tem nenhum vínculo com o podcast ou seus apresentadores”. A Mondelez, fabricante do chocolate Bis, também esclareceu que não é uma das patrocinadoras do podcast.

Revolta na web

Uma onda de revolta e indignação tomou conta das redes sociais. Personalidades como Armando Babaioff e Casimiro repreenderam a conduta de Monark e Kataguiri. “Cerca de onze milhões de inocentes civis foram executados intencionalmente pelo governo de Hitler. E os caras em 2022 estão discutindo num podcast no Brasil a legalidade de um partido nazista. Entrevistados, tenham vergonha na cara e boicotem a p*rra desse programa”, pediu o ator. “Acordei já vendo essa atrocidade na timeline. Que ser humano m*rda. Inacreditável”, escreveu o youtuber.

“Monark e Kim Kataguiri defendendo o direito de existir um partido nazista – isso mesmo, nazista! – no Brasil é o maior reflexo destes tempos em que vivemos”, lamentou o escritor Henry Bugalho. “O nazismo é crime, é ideologia de ódio. Na Alemanha, Monark estaria preso e o podcast acabaria. No Brasil, onde os grupos extremistas cresceram mais de 200% nos últimos anos, ele segue solto, patrocinado por grandes empresas e com microfone aberto pra falar absurdos. Inaceitável!”, reforçou Matheus Gomes, vereador de Porto Alegre. Veja mais reações:

Monark se manifesta

Na tarde dessa terça-feira, Bruno usou as redes sociais para se defender, alegando que suas falas teriam sido “tiradas de contexto“. Em outro momento, ele pediu desculpas e assumiu que errou: “Eu estava muito bêbado e fui defender uma ideia, só que de um jeito muito burro. Falei de uma forma muito insensível com a comunidade judaica. Peço perdão pela minha insensibilidade, mas peço também compreensão”. Confira os depoimentos na íntegra:

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Monark (@monarkoficial)