Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani De São Thiago (5)

Vídeo mostra momento em que ex-ministro da Educação é detido pela polícia; assista

Milton Ribeiro ocupou o cargo no Ministério da Educação até o dia 28 de março deste ano

Uma câmera de segurança do prédio do ex-ministro Milton Ribeiro captou o momento em que ele foi levado pela Polícia Federal, na manhã de quarta-feira (22). As imagens foram feitas em um condomínio no bairro do Boqueirão, em Santos, litoral de São Paulo.

O mandato de prisão preventiva do político faz parte da operação “Acesso Pago”, que investiga o pagamento de propina e uso de lobistas na liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) aos municípios. Veja o momento em que Milton Ribeiro é detido:

O mandato de prisão preventiva do político faz parte da operação “Acesso Pago”, que investiga o pagamento de propina e uso de lobistas na liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) aos municípios.

No documento, o juiz federal Renato Borelli cita crimes como corrupção passiva e prevaricação como justificativas para a sua decisão, além de advocacia administrativa e tráfico de influência. O magistrado ainda determinou que Milton seja encaminhado para Brasília, mas sua defesa pede que ele faça uma audiência de custódia virtual na cidade em que está atualmente.

Além do ex-ministro da Educação, outras quatro pessoas foram detidas. A Polícia Federal também cumpriu 13 mandatos de busca e apreensão nos estados de Goiás, São Paulo, Distrito Federal e Pará, e mais uma série de medidas cautelares. A intenção delas é prevenir o contato entre os investigados e os envolvidos no caso.

Continua depois da Publicidade

Milton Ribeiro deixou o Ministério da Educação do governo de Jair Bolsonaro no dia 28 de março deste ano em meio à denúncias de que fazia uma espécie de “balcão de negócios” dentro da pasta na hora de liberar verbas do FNDE. Em áudios divulgados pelo jornal Folha de S.Paulo, ele chega a afirmar que a sua prioridade é “atender primeiro os municípios que mais precisam e, em segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar [Santos]“. Em outro momento, ele ainda fala sobre todos saberem como a dinâmica do Fundo funciona: “O apoio que a gente pede não é segredo, isso pode ser [inaudível] é apoio sobre construção de igrejas“.

Espera-se que a defesa de Ribeiro – que classificou a prisão como “injusta” – entre com um pedido de habeas corpus ainda hoje.