Woody Allen afirma que Timothée Chalamet o condenou publicamente apenas para ter mais chances de ganhar um Oscar: “Jurou que precisava fazer isso”; entenda

Em meio a tantas polêmicas, Woody Allen criou mais uma no seu livro “Apropos of Nothing”. Segundo o Entertainment Weekly, o cineasta alegou que Timothée Chalamet o condenou publicamente apenas para ter mais chances de ganhar um Oscar em 2018. Na época, o jovem astro estrelou “Um Dia de Chuva em Nova York”, dirigido por Allen.

“Todos os três protagonistas em ‘Uma Dia de Chuva’ eram excelentes e foi um prazer trabalhar com eles”, disse Woody sobre Chalamet, Selena Gomez e Elle Fanning. No entanto, o diretor criticou: “Depois, Timothée declarou publicamente que ele se arrependeu de ter trabalhado comigo e estava doando seu cachê para a caridade, mas ele jurou à minha irmã que ele precisava fazer isso, porque estava na disputa do Oscar por ‘Me Chame Pelo Seu Nome'”.

Timothée Chalamet e Elle Fanning em “Um Dia de Chuva em Nova York” (Foto: Reprodução/Amazon Studios)

De acordo com o diretor de “Meia-Noite em Paris” – acusado de ter molestado Dylan Farrow, sua filha adotiva com a antiga namorada, Mia Farrow – Timothée teria feito isso porque “ele e seu agente sentiam que ele teria chances maiores de ganhar [o Oscar] se ele me denunciasse, então ele fez isso”, conforme Allen escreveu.

“De qualquer forma, não me arrependo de ter trabalhado com ele”, confessou o cineasta. Porém, ele nega as acusações e não mudará de postura: “E eu não vou devolver nada do meu dinheiro”. Mas, por conta das controvérsias, tem sido “difícil de escalar” atores para seu próximo filme, “Rifkin’s Festival”, visto que são muitos os que se recusam a trabalhar com Allen após as acusações.

“Eu ainda não consigo entender como eles podem estar completamente convencidos… O gesto deles seria significativo se eu, de fato, fosse culpado de alguma coisa. Mas como eu não sou, eles estão apenas perseguindo um homem inocente e ajudando a confirmar as memórias implantadas em Dylan”, defendeu-se o diretor.

Em janeiro de 2018, Timothée anunciou que doaria todo o cachê do filme de Allen, depois da polêmica causada com as acusações do cineasta. Com seu salário, o astro ajudou o movimento Time’s Up, e instituições como The LGBT Center in New York City e a RAINN (Rede Nacional de Assistência a Vítimas de Estupro, Abuso e Incesto). Oito dias após seu posicionamento, sua indicação ao Oscar pelo filme de Luca Guadagnino foi revelada, em 23 de janeiro de 2018.

Timothée como Elio em “Me Chame Pelo Seu Nome”, papel que lhe rendeu uma indicação ao Oscar. (Foto: Divulgação/Sony)

Todavia, naquele ano, Chalamet perdeu o prêmio de “Melhor Ator” para Gary Oldman, que venceu por seu papel em “O Destino de Uma Nação”. Procurada pelo Entertainment Weekly, a equipe do intérprete de Elio não se manifestou sobre o caso até a publicação da matéria.