Ben Affleck abre o jogo sobre divórcio de Jennifer Garner e manda recado lindo e emocionante para a ex-esposa: ‘Obrigado’

Mais uma vez, Ben Affleck falou publicamente sobre seu divórcio com a mãe de seus três filhos, a atriz Jennifer Garner. Durante entrevista à jornalista Diane Sawyer, veiculada hoje (20), no “Good Morning America”, o astro disse que aceitar o fim do casamento foi a coisa mais difícil que já fez na vida.

“Eu não queria me divorciar. Não queria ser uma pessoa divorciada. Eu realmente não queria a separação da família de meus filhos. E isso me chateou, porque significou que eu não era quem pensava ser. Foi muito doloroso e decepcionante pra mim mesmo”, desabafou Ben, com a voz trêmula.

Em uma nota lida pela apresentadora, Affleck abriu o coração e agradeceu a ex-mulher por desempenhar um ótimo papel como mãe e parceira. “‘O que quero dizer publicamente e pessoalmente é obrigado. Obrigado por ser atenciosa, responsável e uma ótima mãe e pessoa'”, dizia o recado.

Jennifer e Ben se divorciaram em 2018 e dividem a guarda dos três filhos, Violet, 14, Seraphina, 11, e Samuel, 7. (Foto: Getty)

O ator também abriu o jogo sobre seu processo de sobriedade e admitiu que sua avó, tia e seu pai eram alcoólatras. A matriarca da família, inclusive, se matou com uma overdose de álcool e barbitúricos. “Foi muito difícil pra mim aceitar que eu era um alcoólatra. Na minha infância, meu pai estava bêbado todos os dias. Era um fato da vida. Conforme isso foi piorando, se tornou muito doloroso. E eu sempre disse que eu nunca seria assim, nunca faria o mesmo que ele fez”, lamentou.

Ben tirou uma lição valiosa disso tudo. “É claro que eu gostaria que meu pai estivesse sóbrio durante os meus anos formativos, mas o que ele me ensinou é o quão importante é para mim estar sóbrio nos anos formativos dos meus filhos. Realmente não quero que meus filhos paguem por meus pecados”, afirmou, com seriedade.

O ator ainda disse que, no três últimos anos, tem passado por um processo de reabilitação. “Não quero que meus filhos sintam medo por mim. Se seu filho está sofrendo com algo, esse é um nível de dor que não é facilmente superado, nem facilmente perdoado ou esquecido. E é difícil. Você não vai evitar causar dor aos seus filhos, toda dor. A dor faz parte da vida. Eu me conformo um pouco nisso”, explicou.

“Estou fazendo o meu melhor… e tem que ser bom o suficiente. Eu realmente não tenho escolha. Eu tenho que ser o homem que eu quero ser neste momento. Eu não tenho mais espaço para falhas desse tipo”, concluiu.