Gal Gadot defende seu papel em filme sobre Cleópatra após críticas de embranquecimento: “Quero celebrar o legado”

Nesta semana (20), Gal Gadot defendeu a decisão de interpretar Cleópatra no cinema, após críticas sobre a escolha da estrela de “Mulher-Maravilha” para o papel. O anúncio, feito em outubro, gerou reclamações por escalar uma atriz israelense branca, em vez de uma árabe ou africana. Além disso, em meio às acusações de “embranquecimento” da personagem, o debate histórico sobre a ancestralidade da rainha do Egito também foi colocado em pauta.

“Em primeiro lugar, se você quiser ser fiel aos fatos, então Cleópatra era macedônia”, disse Gadot em entrevista ao jornalista Sam Asi, da BBC Arabic. “Estávamos procurando uma atriz macedônia que se encaixasse em Cleópatra. Ela não estava lá e eu estava muito apaixonada por Cleópatra”, continuou.

Ela também apontou que tem amigos de todo o mundo, “sejam eles muçulmanos, cristãos, católicos, ateus, budistas ou judeus”. “Quero celebrar o legado de Cleópatra e honrar este incrível ícone histórico que eu tanto admiro”, acrescentou.

Continua depois da Publicidade

Por fim, Gadot afirmou que outras pessoas também podem fazer seus próprios filmes: “Sabe, qualquer um pode fazer esse filme e qualquer um pode ir em frente e fazê-lo. Estou muito entusiasmada por fazer o meu também”, concluiu.

Gadot está confirmada como produtora e protagonista do filme. Ela assumirá o papel que ficou famoso com Elizabeth Taylor no clássico de 1963, “Cleópatra”. Já a direção ficou por conta de Patty Jenkins.

Veja a entrevista completa abaixo:

Na época que saiu a notícia da escalação da atriz para ser a Cleópatra, vários internautas expressaram o seu descontentamento: “A escalação de Gal Gadot é apenas mais um golpe na longa história da embranquecimento e do legado da egiptologia colonial que se esforça para cortar todas as conexões entre os egípcios (amplamente definidos) e a história de suas terras”, escreveu uma usuária do Twitter.

Até mesmo o jornal “The Guardian” deu a sua opinião: “Gal Gadot como Cleópatra é um passo para trás para a representação em Hollywood”.

No entanto, outras pessoas apontaram que Cleópatra é, na verdade, grega: “Sim, ela era uma governante egípcia, mas era grega com ascendência persa e síria. As pessoas que estão reagindo negativamente a isso são ignorantes e desinformadas. Gal Gadot merece este papel”.

Apesar disso, o debate entre os especialistas continua. Um documentário da BBC de 2009 sugeriu que Cleópatra tinha ascendência mista. No entanto, Kathryn Bard, professora de Arqueologia e Estudos Clássicos da Universidade de Boston, disse à revista “Newsweek” no início deste ano que “Cleópatra VII era branca — de ascendência macedônia, assim como todos os governantes Ptolomeus, que viveram no Egito”.