Padre Marcelo Rossi vai às lágrimas ao relembrar “renascimento”, uma semana após empurrão durante missa: “Não ia chorar, mas não tem jeito”

Uma semana após ter sido surpreendido por um empurrão durante missa, o Padre Marcelo Rossi abordou o assunto novamente neste domingo (21). Emocionado, o religioso não segurou suas lágrimas ao falar sobre o “milagre” de ter sobrevivido, e da força da sua fé diante do “inimigo”.

O padre contou que, no momento, apesar da dor muito forte, ele sentiu que seria como um “renascimento”. “Estou sem remédio. Foi uma dor muito forte. Só sei que, naquele momento, veio uma consciência tão forte que Deus estava me dando de novo o batismo. Nasci novamente”, disse ele. Pouco depois, Marcelo reforçou que a situação acabou servindo como bênção: “Se o inimigo pensava que seria a minha morte, deu um tiro no pé, porque aquilo se transformou em uma bênção”.

Em seu sermão, o padre foi aplaudido fortemente inúmeras vezes, e mostrou acreditar que presenciou um milagre após o empurrão. “Quem crê em milagres? Se você duvida, está aqui. Somos a descendência que pisa na cabeça da serpente”, afirmou.

Padre Marcelo Rossi em missa (Foto: Reprodução/Facebook)

Por fim, Rossi não conteve o choro ao reviver o desespero de todos, principalmente dos jovens presentes na hora do susto. “A raiva do demônio de ver aqueles jovens louvando, o desespero deles na hora que eu caí”, disse. “Mas Deus me levantou, literalmente, e a alegria deles de me ver de pé… O mundo pode até te derrubar, mas Deus vai te levantar”, adicionou o padre, que logo justificou as lágrimas: “Falei que não ia chorar, mas não tem jeito”.

Na segunda-feira (15), pelas redes sociais, padre Marcelo Rossi já havia se manifestado sobre a situação preocupante que enfrentou quando uma mulher o empurrou do palco no meio de uma missa em Cachoeira Paulista.

O padre fez um vídeo para o YouTube e o Facebook e disse que sobreviver à queda, sem ferimentos graves foi um milagre. “Muitos sabem o que aconteceu ontem e eu só posso dizer obrigado Senhor e obrigado Mãe, porque ela passou na frente. Não estaria aqui hoje. Fui checar depois e… misericórdia! Realmente não há uma explicação. Foi só a Mãe mesmo”, disse Rossi em referência à Nossa Senhora.

Ele, então, falou que, por problemas anteriores de saúde, poderia ter ficado bem mais lesionado. “Fui salvo. Foi um milagre. Não bati a cabeça. Todos sabem que eu tenho problema na coluna. Não tocou a coluna. Machucou muito a perna, mas é tudo consertável”, contou. “Se vocês vissem onde eu caí e como eu caí… milagre. Se o inimigo está furioso, a Mãezinha me segurou. E eu tive uma força pra me reerguer, continuar… e vou continuar. Aqui estou”, completou o padre, esperançoso.

O religioso não quis registrar a agressão e, em seu depoimento, explicou que faz um registro diferente. “É, ontem eu fiz um B.O.. ‘Padre, que B.O.?’ Bíblia e oração. Esse é o melhor boletim de ocorrência. E onde que é a delegacia? Na capela”, falou ele. “Muitas pessoas são marionetes nas mãos do inimigo. Elas são usadas pelo inimigo. Por isso, se alguém difamou você, andam caluniando você, faça um B.O.!”

Por fim, o padre Marcelo disse que o evento ficará marcado em sua memória, mas que não vai se deixar se abalar por ele. “Obrigado pelas orações. Graças a Deus, fui salvo. Por um milagre. Confesso pra vocês, o dia 14 de julho de 2019, no ‘PHN’, não será jamais esquecido. E, mais uma vez, ano que vem, lá estarei”, completou ele. Assista ao vídeo completo abaixo:

Na tarde do domingo, após sair da delegacia, a mulher que empurrou o padre disse que aquilo era algo pessoal. “Entre eu e ele, entre eu e ele”, disse ela, segundo o UOL. Assim como acompanhantes dela já haviam mencionado, ela disse sofrer de transtorno bipolar e fazer tratamento psiquiátrico.

Sem revelar o nome dela, o delegado responsável pelo registro da ocorrência, Daniel Castro, disse que a mulher teria a intenção de se aproximar do padre para conversar e não agredi-lo. No entanto, de acordo com o profissional, ela teria dado “declarações desencontradas”. “Ela falou que queria entrar para conversar com ele e que se assustou na hora que viu os seguranças correndo atrás dela. É a versão dela, mas quem vê as imagens vê que não tem nada disso [seguranças correndo atrás dela]. Ela entrou correndo, se assustou e empurrou ele num momento em que meio que surtou, perdeu o controle, mas que não tinha intenção nenhuma, que queria só conversar com ele”, explicou o delegado.

Padre Marcelo Rossi sendo empurrado durante a missa (Foto: Reprodução/Youtube)

O Conselho Tutelar de Cachoeira Paulista também foi à delegacia, porque a mulher estava na excursão com o filho, de três anos de idade. Segundo uma representante, o menino ficou em responsabilidade de outra conselheira em uma pousada da cidade, mas ainda não há informações se o menor vai voltar para a guarda da mãe.

Se o padre Marcelo continuar com a opção de não prestar queixa, o caso será arquivado em seis meses e a mulher deve permanecer em liberdade.

Relembre o caso

Uma mulher empurrou o padre Marcelo Rossi do palco durante uma missa que ele realizava neste domingo (14), em Cachoeira Paulista, na sede da comunidade católica Canção Nova. De acordo com informações do G1, ela conseguiu passar pela segurança do evento, invadiu o palco e empurrou o padre de cima da estrutura.

Segundo o portal de notícias da TV Globo, o padre estava no local para a missa de encerramento do acampamento ‘Por Hoje Não’ (PHN). O incidente teria acontecido por volta das 14h50 (horário de Brasília). Em vídeo que circula nas redes sociais, é possível ver a mulher, que participava da celebração, correndo no palco e empurrando o padre, que cai da estrutura.

Neste momento, o público presente na missa, estimado em 50 mil pessoas, fica chocado com o incidente e com a queda do religioso. O G1 informou que, apesar do susto, o padre não ficou ferido, voltou ao palco minutos depois e continuou a celebração. A mulher foi contida pela Polícia Militar.

Veja o vídeo:

Segundo a publicação, a PM informou que a mulher foi encaminhada para a delegacia de Lorena para registrar o caso. A ocorrência, segundo o G1, está sendo feita pela Canção Nova, já que o Padre Marcelo Rossi não quis registrar a agressão.

As autoridades ainda informaram que a mulher, de 40 anos, pertencia a um grupo do Rio de Janeiro que foi ao evento. De acordo com o que foi relatado à PM por alguns de seus acompanhantes, ela sofre de transtornos mentais e faz tratamento psiquiátrico.

Que susto, hein?! Ainda bem que não aconteceu nada de grave com padre Marcelo Rossi. Em vídeo divulgado pela assessoria de imprensa da Canção Nova, Padre Marcelo afirmou que está bem. “Estou ótimo! Fiquem tranquilos, está tudo bem. Só [estou sentindo] umas dores. Isso aí é normal, não quebrou nada. Amém“, disse ele.