Scarlett Johansson lembra de casamento com Ryan Reynolds, explica por que não deu certo, e volta atrás em comentários sobre personagem trans: “Me senti horrível”

Hora de revirar o baú e repensar no passado! Scarlett Johansson está belíssima estampando a última capa da revista Vanity Fair. No recheio da publicação, a atriz deu opiniões fortes sobre algumas fases de sua vida. Em entrevista, a musa recordou como se sentia no casamento com Ryan Reynolds. Além disso, ela voltou atrás em seus comentários ácidos, após ter sido alvo de críticas quando escalada para viver uma personagem trans.

Para quem não se lembra, Johansson e Reynolds foram casados entre os anos 2008 e 2011. No entanto, para a musa, naquele período ela não tinha noção do que estava realmente vivendo. “A primeira vez em que me casei eu tinha 23 anos. Eu realmente não tinha um bom entendimento do casamento. Talvez eu tenha romantizado isso de alguma forma, eu acho”, contou ela.

No entanto, atualmente, as coisas mudaram — em grande parte por seu amadurecimento e experiências vividas. “Eu sinto como se eu estivesse num lugar da minha vida em que eu estou mais apta a fazer escolhas mais ativas. Estou muito mais presente, eu acho, do que eu estava antes”, explicou a atriz.

Aquele momento em que a gente nem lembrava que Scarlett Johansson e Ryan Reynolds foram casados! Kkkk (Fotos: Getty)

Apesar de ter uma noção mais real do casamento, Scarlett ainda sonha com essa vida familiar. “A ideia de construir uma família, fazer uma família e ter esse trabalho, eu gosto dessa ideia. Eu acho que isso seria incrível. Eu sempre quis isso. Eu também buscava isso no casamento com o pai da minha filha [Romain Dauriac]. Só que apenas não era a pessoa certa. Mas eu gosto dessa ideia”, declarou.

Ainda no bate-papo, nossa vingadora lembrou de quando recebeu inúmeras críticas por ter defendido que poderia dar vida a uma personagens trans, após ter rejeitado um papel no filme “Rub & Tug” – também por conta das queixas do público. Hoje em dia, depois de muita reflexão, Scarlett reconhece que “lidou mal com a situação”… Ela até mesmo demonstrou um novo ponto de vista.

“Não foi sensível minha reação inicial a isso. Eu não estava totalmente ciente de como a comunidade trans se sentia sobre a atuação daqueles três atores – e como eles se sentiam no geral sobre atores cis-gênero interpretando pessoas trans”, revelou.

Aqui, a atriz se refere aos atores Jeffrey Tambor, Jared Leto e Felicity Huffman, que já fizeram papéis de pessoas trans. Em 2018, após a revolta com sua escalação para o papel em “Rub & Tug”, ela rebateu as queixas dizendo às pessoas que fossem reclamar com o trio, pois já haviam feito aquilo. Mas o diálogo e o tempo a fizeram ter uma maior consciência nesta questão.

“Eu não estava ciente desta questão, eu era ignorante no assunto. Então, eu aprendi muito ao longo desse processo. Eu julguei errado aquilo… Foi um tempo difícil. Era como um turbilhão. Me senti horrível sobre isso. Sentir que você é meio que desafinada em algo não é uma boa sensação”, adicionou.

Depois de ter causado todo um bafafá, há alguns meses, a atriz voltou a tocar no assunto e causou certa polêmica. Em entrevista à revista As If, em julho, Johansson afirmou que a arte deveria ser “imune ao politicamente correto”. À publicação, a heroína disse acreditar que deveria ser “permitida de interpretar qualquer pessoa, qualquer árvore, ou qualquer animal, porque esse é o meu trabalho e os requisitos do meu trabalho”.

Contudo, deu pra entender que são águas passadas, né?