“Coringa” revolta fãs por conter música de pedófilo condenado na trilha sonora; criminoso poderá lucrar com o filme — entenda!

O “Oscar” não sabemos se vem, mas o troféu de filme mais polêmico do ano, este vai para “Coringa” com certeza! Depois das várias controvérsias envolvendo a trama, a nova produção da Warner Bros. virou centro de uma nova discussão complexa, que incomodou fãs. Um cantor condenado por pedofilia poderá ganhar dinheiro por uma música sua no longa. Eita!

“Rock and Roll Part. 2” compõe a trilha da nova produção sobre o supervilão da DC. No filme, ela ambienta uma sequência em que o protagonista, interpretado por Joaquin Phoenix, dança numa escada. Sem spoilers por aqui, mas é um momento bastante icônico. Logo, estando lá, a canção pode render muito dinheiro para Gary Glitter – condenado por vários crimes de cunho sexual.

De acordo com a The Hollywood Reporter, Gary foi um grande astro dos anos 70 e 80 no cenário do rock glam britânico. Sua derrocada se deu no final dos anos 1990, quando ele foi preso pela primeira vez por download de conteúdo pornográfico infantil. Novamente, em 2015, o músico foi condenado quatro vezes por assédio sexual, e indiciado numa quinta por ter abusado de uma garota com menos de 13 anos. Sua sentença foi de 16 anos.

Para o Daily Star, o detento poderá ganhar milhares de dólares com cada exibição de sua composição – que aparece por cerca de dois minutos no longa — já que ele possui os direitos autorais. Isso não pegou nada bem entre fãs e internautas. Muitos ficaram indignados com a escolha deliberada de algo tão errado… “De quem foi a ideia de colocar Gary Glitter em ‘Coringa’?”, questionou uma usuária do Twitter.

No vídeo exibido por Jimmy Kimmel, Joaquin Phoenix aparece esbravejando sobre um tal Larry, no set de “Coringa”. (Foto: Reprodução/YouTube)

Outra reclamação comum é que todo o resto tem ofuscado esse ponto polêmico, então, acabam não se importando com a questão. “Uma coisa pequena sobre Coringa que tem sido ofuscada por, você sabe, todo o resto: uma cena importante é proeminentemente marcada por ‘Rock and Roll Part 2’ de Gary Glitter”, indignou-se outro.

Outros levantaram a questão do filme ser sobre as consequências do abuso infantil, e conter a música de um pedófilo condenado na trilha sonora. “Gary Glitter consegue royalties pelo Coringa. Eles estão literalmente pagando um pedófilo pra usar sua música em um filme sobre consequências de abuso infantil… Esse filme é uma droga imoral”, comentou um perfil.

Por fim, teve até quem estivesse pronto para ativar o lado militante e promover um grande boicote: “Eu jamais defenderia isso. De qualquer forma, se você está planejando assistir ‘Coringa’ nesse fim de semana, por favor, baixe pirata ou torrent. F*da-se os lucros de qualquer filme que conscientemente enche os bolsos de um idiota pedófilo como Gary Glitter”, disparou outro perfil. Confira:

É, Brasil, pelo visto as controvérsias da produção ainda vão longe… Para os curiosos sobre essa narrativa, “Coringa” já está disponível nos cinemas de todo o Brasil.