Fotojet

Barbie: Live-action deixará de fora um detalhe muito aguardado pelos fãs; entenda

Filme da boneca mais famosa do mundo estreia no ano que vem com Margot Robbie e Ryan Gosling no elenco

Desumano! Kkkk O live-action da Barbie só estreará em julho de 2023, mas finalmente começou a ter alguns detalhes divulgados na imprensa, a exemplo da primeira foto da atriz Margot Robbie caracterizada como a famosa boneca. Agora, nesta sexta-feira (29), a Variety divulgou uma informação que deve deixar muita gente decepcionada… O longa não vai ter o hino atemporal “Barbie Girl”, do Aqua, em sua trilha sonora!

A canção foi divulgada em 1997, e desde então se tornou um hit eternizado na cultura pop. Aqui no Brasil, Kelly Key até fez uma versão própria com a faixa “Sou a Barbie Girl”. Dito isso, era mais do que esperado que a faixa embalasse as aventuras da Barbie nas telonas. Mas este não será o caso… “A música não será usada no filme”, avisou o empresário da vocalista Lene Nystrøm, Ulrich Møller-Jørgensen, para a publicação.

E embora o profissional não tenha dado qualquer tipo de explicação para a ausência da música na trilha sonora, a Variety apurou que o Aqua já teve muitos problemas com a Mattel, empresa detentora de todos os direitos relacionados à marca Barbie. Ainda nos anos 1990, a corporação acionou judicialmente a MCA Records, responsável pela distribuição da música no mundo todo, por violação de marca registrada.

E o mesmo motivo alegado no processo do passado pode ter influenciado na decisão da Warner Bros. em manter a faixa fora da produção. Na época, a Mattel acreditava que “Barbie Girl” prejudicava a imagem da marca ao apresentar uma letra em que a boneca não tinha um “comportamento saudável”. “Uma boneca Barbie promíscua cantando em um tom de paquera e um boneco Ken sem vergonha a respondendo ‘beije-me aqui, toque-me ali’”, argumentou a empresa, destacando uma cena do clipe em que Ken aparece desmembrando a boneca.

Continua depois da Publicidade

“Mesmo que achemos a letra aceitável, estaríamos entrando com este processo porque a música foi publicada e distribuída sem nossa permissão e certamente sem nossa notificação. Eles estão se referindo a essa música como otimista e divertida, e realmente acreditamos que a exploração ilegal da propriedade de outra empresa para ganho comercial não é otimista nem divertida. É roubo”, alegou o porta-voz. A Justiça norte-americana, porém, rejeito as reivindicações alegando que “Barbie Girl” não passava de uma paródia, e até chegou a aconselhar as duas partes a “relaxarem” quando tentaram recursos no processo. Pelo visto, os anos passaram e a rixa não acabou mesmo…