Música

Dionne Warwick diz amar Beyoncé, mas ressalta não considerá-la um ícone: ‘Duvido disso’

Pedro Hosken - Publicado em 23/05/2019 às 20:42
Compartilhe: Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Pinterest Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no E-mail

A lenda viva da música está de volta e faz questão de que todos saibam disso… não à toa seu disco recém-lançado foi batizado “She’s Back”. Aos 78 anos, Dionne Warwick coleciona uma generosa porção de sucessos, como “Say a Little Prayer For You” e “That’s What Friends Are For”. Em entrevista à revista “Essence”, ela se disse orgulhosa por ter construído uma carreira baseada em canções que têm “começo, meio e fim”.

Quando questionada se os artistas da geração atual estariam também produzindo novos clássicos, riu alto e respondeu firmemente: “Ainda não”. “Eu não sei se daqui a 10 anos, qualquer um cantará as músicas de nossos bebês de hoje. Isso não é, como vocês dizem, ‘jogar shade’, é olhar para a realidade“, explicou a cantora. O repórter então resolveu indagá-la sobre Beyoncé. Afinal, não estaria a dona de “Halo” no patamar de um artista icônico?!

Para Dionne Warwick, ainda falta muito arroz e feijão para Beyoncé ser “um ícone”. (Foto: Getty)

Para Dionne, Queen B ainda tem um longo caminho a percorrer. “Observá-la crescer foi maravilhoso. É incrível ver como ela foi capaz de criar o que e quem ela queria ser… Sou muito orgulhosa disso, eu realmente sou. Agora, se tornar um grande ícone? Como Gladys Knight, Patti LaBelle, Johnny Mathis, Frank Sinatra e Sammy Davis Jr. conseguirem?! Eu duvido disso”, declarou a artista, ponderando ser fã de Beyoncé.

E eu a amo até a morte e posso apreciar seu talento. Mas esse status icônico? É um longo caminho [pela frente]”, concluiu. Primeiro disco de Dionne em cinco anos, “She’s Back” foi disponibilizado na última sexta-feira (17) com um total de quinze faixas. Será que teremos um novo clássico entre elas?!