Vídeo: Suspeito de assassinato cospe em repórter e ela revida ataque com “microfonadas”: “Seu nojo! Seu lixo!”; assista!

Se não fosse inusitada, não seria a televisão brasileira. Nesta quarta-feira (03), uma entrevista saiu fora do planejado na Band. Antes mesmo de iniciar a conversa, tentando falar com o suspeito de assassinar a jovem Aline Dantas, uma repórter foi surpreendida por um cuspe! Como reflexo da atitude inesperada, ela não deixou barato e revidou o ataque.

Heronildo Vasconcelos estava sendo conduzido ao presídio pela polícia. Ele é o suposto responsável pela morte da moça de 19 anos, que desapareceu por três dias e foi encontrada sem vida e com o corpo queimado na cidade de Alumínio (SP). De acordo com o G1, os laudos apontaram que ela foi vítima de estupro e ainda tentou se defender da agressão sexual.

Ao levar uma cusparada, Elisângela Carreira não pensou duas vezes em revidar com a microfonada. (Foto: Reprodução/Band)

Até que hoje, em sua apresentação, o suposto criminoso disparou um cuspe na jornalista Elisângela Carreira. Ela estava junta ao resto da imprensa, quando foi pega de surpresa. Sem demora, a repórter partiu pra cima do detento, dando “microfonadas” em sua cabeça. Revoltada pela atitude desaforada, ela também desabafou e soltou várias críticas no calor da emoção.

“Seu nojo! Seu lixo! Você matou a Aline? Você matou, seu lixo? Você tem filha? Você tem filho? Levanta a cabeça! Você tem filha? Você matou… Você cuspiu na minha cara! Seu lixo! Covarde! Você destruiu uma família! Responde agora! Para matar você é homem! Lixo”, rebateu Elisângela, sendo apoiada por colegas jornalistas, que reforçaram os xingamentos. Assista ao momento:

Gente, que cena!!! Pelas redes sociais, muitas pessoas também se surpreenderam, mas se sentiram representados pela resposta da repórter. “A ‘microfonada’ que aquela repórter da TV Band deu naquele sujeito (sem palavras para definir o sujeito) foi por todas nós. Muito obrigado querida! Você arrasou”, escreveu uma espectadora. Confira algumas das reações:

Apesar de tudo, Heronildo nega o crime. Segundo o G1, as autoridades afirmam que ele já tem passagem na polícia por tentativa de estupro. Para o delegado do caso, o desempregado não conhecia Aline, nem sua família, e o crime não seria premeditado. Ele teria aproveitado a oportunidade para cometer o delito e, no dia seguinte, teria retornado para ocultar o corpo. Antes de perder a vida, Aline havia saído para comprar fraldas para sua filha. A partir deste momento, ela nunca mais voltou.

Lamentamos esse crime hediondo, desejamos nossos sentimentos à família, e torcemos por mais respeito a todos nossos colegas jornalistas.