Cachorro Tortura Adolescente

Adolescente é suspeito de torturar e matar cachorro em live no RS; Polícia investiga caso e revela detalhes chocantes

O jovem teria estrangulado e esquartejado o animal numa transmissão ao vivo, para pelo menos 30 pessoas.

Na véspera do Natal (24), um cachorro foi torturado e morto durante uma transmissão ao vivo na cidade de Lindolfo Collor (RS). De acordo com o G1, um adolescente de 17 anos se apresentou à polícia nesta terça-feira (28), e confessou ser a pessoa que aparece no vídeo. O suspeito foi internado no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Novo Hamburgo e a Polícia Civil investiga o caso.

Os atos foram transmitidos pelo aplicativo Discord, para um público de pelo menos 30 pessoas. O jovem estava no banheiro da casa de sua mãe e o vídeo tem quase três minutos. “O ato em si não tem nem o que falar. É de uma crueldade muito grande. Foram duas ou três vezes para conseguir ver até o final. Ele estrangulou, bateu com um martelo até chegar ao esquartejamento”, descreveu Raquel Teixeira, delegada que cuida do caso.

Continua depois da Publicidade

Denúncias anônimas levaram a polícia até o jovem. Com isso, um mandado de busca e apreensão foi autorizado pela Justiça no último sábado (25), quando os policiais foram até a casa do rapaz. “Foram apreendidos o martelo usado, a faca, o celular e vários objetos utilizados na live”, explicou a delegada. Quanto ao cachorro, ele teve seu corpo jogado em um rio próximo ao local em que a transmissão foi realizada.

Cachorro Tortura2
O adolescente teria estrangulado e esquartejado o cachorro durante uma live no Discord, para pelo menos 30 espectadores. (Foto: Reprodução)

O adolescente se apresentou ontem à polícia, acompanhado de um advogado. Ele responderá pelo ato infracional de maus-tratos, infração qualificada por tortura. Apesar de a pena para o crime ser de dois a cinco anos de reclusão, por ser menor de idade, o jovem terá de cumprir medidas socioeducativas. Com uma determinação do Ministério Público, ele também terá de ficar internado por um período que pode chegar até três anos.

Continua depois da Publicidade

A investigação: houve incentivo?

Agora a Polícia Civil investiga o caso e busca entender o que levou o adolescente a torturar e transmitir a morte do cachorro – que teria sido capturado na rua. Além da busca e apreensão, as autoridades pediram à Justiça a quebra do sigilo do celular do jovem. Segundo o portal GaúchaZH, familiares e pessoas próximas ao suspeito têm sido ouvidos pela delegada.

Cachorro Tortura1
A polícia apreendeu um martelo, uma faca, o celular do jovem e mais objetos que teriam sido usados na live. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Até o momento, os depoimentos sugerem que haveria uma suposta rede de usuários que promovem tortura e automutilação em alguns “desafios”. “Aparentemente esse grupo utilizava essa plataforma de transmissão em vídeo para pedir que as pessoas cumprissem esses desafios, sempre ligados à violência. Nosso objetivo agora é tentar se aprofundar na organização desse grupo, que possui membros de vários lugares do país”, contou Teixeira.

Continua depois da Publicidade

De acordo com o portal, o suspeito já recebia atendimento médico há muito tempo, visto que possui problemas psiquiátricos. Os pais do adolescente também disseram à polícia que não sabiam que o filho usava tais plataformas digitais.

Discord se manifesta

Enquanto a polícia averigua se o jovem recebeu algum incentivo à sua prática, o Discord se manifestou sobre o caso. A plataforma alegou ao G1 que “tem uma política de tolerância zero contra o compartilhamento de imagens de crueldade contra animais”.

“Quando tomado conhecimento deste tipo de atividade, medidas são tomadas imediatamente, incluindo banir usuários, desligar servidores e se engajar com as autoridades policiais quando necessário”, mencionou a empresa. Contudo, segundo a publicação, o perfil do jovem permanecia no ar até a manhã de hoje (29).