Demetrius Procuradora Espancada

Agressor de procuradora espancada tem prisão preventiva decretada pela Justiça; saiba detalhes

Demétrius Oliveira de Macedo foi flagrado desferindo socos e cotoveladas na procuradora-geral Gabriela Samadello Monteiro de Barros

O procurador Demétrius Oliveira de Macedo teve sua prisão preventiva decretada hoje (22). Na segunda-feira (20), ele foi filmado agredindo a procuradora-geral da Prefeitura de Registro (SP), Gabriela Samadello Monteiro de Barros. O pedido de prisão foi apresentado pelo delegado Daniel Vaz Rocha, que está responsável pelo caso.

Segundo o G1, o delegado indicou que o acusado estaria colocando em risco a vida de colegas de trabalho. [O investigado] vem tendo sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública”, disse ele no pedido, encaminhado à 1ª Vara Criminal da cidade.

Procuradora
Procuradora mostra rosto ensanguentado após agressão. (Foto: arquivo pessoal)

Continua depois da Publicidade

De acordo com a Polícia Civil, fotos e vídeos da agressão foram reunidas para o inquérito que vai apurar o caso. Além disso, o depoimento da procuradora-geral também foi utilizado para fundamentar o pedido da prisão preventiva. Com a repercussão do caso, o governador de São Paulo também se manifestou. “A agressão do procurador de Registro a uma colega não ficará impune. A Polícia Civil acaba de pedir a prisão do agressor Demétrius Macedo. Que a Justiça faça a sua parte e puna todo e qualquer covarde que agrida uma mulher”, disse Rodrigo Garcia (PSDB).

As agressões

Gabriela estava trabalhando quando foi surpreendida pelo ataque de Demétrius na última segunda-feira (20). Conforme relatado no Boletim de Ocorrência, ele deu uma cotovelada na cabeça dela e continuou com socos no rosto. As agressões foram registradas pelos colegas em um vídeo, que viralizou nesta terça (21).

Continua depois da Publicidade

A procuradora ficou com o rosto ensanguentado e inchado em decorrência das agressões. Gabriela ainda informou à polícia que tentou se defender e até recebeu ajuda de uma funcionária, mas que a colega foi empurrada contra a porta e bateu as costas na maçaneta. Demétrius ainda proferiu xingamentos como “p*ta” e “vagabunda do c*ralho”. Veja o vídeo abaixo:

[Atenção: imagens fortes!]

Em nota, a prefeitura de Registro expressou “o mais absoluto e profundo repudio aos brutais atos de violência realizados pelo procurador municipal contra a servidora municipal mulher que exerce a função de procuradora-geral do município”. A administração municipal determinou a suspensão imediata do agressor e prejuízo no salário dele a partir de 21 de junho.

Continua depois da Publicidade

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo, subseção Registro, também repudiou a “inadmissível, covarde e grotesca agressão física praticada” pelo procurador municipal. Um ofício contra Demetrius será apresentado na Comissão de Ética e Disciplina. “A agressão atingiu toda a advocacia e a toda a sociedade de uma forma geral, causando indignação permanente”, destacou em trecho do comunicado.

Procuradora se manifesta

Nesta quarta-feira (22), Gabriela se manifestou pela primeira vez sobre o caso. A procuradora-geral revelou que vivia sob tensão no ambiente profissional e que tinha medo de ser agredida. Segundo o G1, o agressor Demétrius Oliveira Macedo, também procurador, era subordinado à vítima. Os dois trabalhavam na Prefeitura da cidade.

Continua depois da Publicidade

“Eu tinha medo, sim. Tinha medo de que fosse acontecer isso, mas não imaginava que fosse ser uma violência física, achava que fosse um ‘bate-boca’, uma discussão”, relatou a profissional, em entrevista à TV Tribuna. “Foi exposta a minha dignidade como mulher, fui desrespeitada como servidora pública. Foi um desrespeito brutal da minha personalidade como mulher”, disse Gabriela. Assista a um trecho do depoimento:

“Eu estava saindo da repartição quando ele veio em direção a mim de forma violenta e me desferiu uma cotovelada. Fui arremessada contra a parede. E ele começou a bater muito em mim, desferir muitos golpes. Socos e pontapés. Chutou muito o meu rosto”, detalhou a vítima. “Ele já havia hostilizado uma outra funcionária nossa e a gente tinha tido uma conversa a respeito disso. Ele foi super agressivo comigo. Me expulsou da sala dele quando eu tentei conversar”, contou Gabriela, em entrevista à Record.

Continua depois da Publicidade

A situação ocorreu depois que Gabriela abriu um inquérito administrativo contra Macedo, por má conduta no ambiente de trabalho. Um Boletim de Ocorrência (BO) sobre o caso foi registrado no 1º Distrito Policial (DP) do município. O autor do crime chegou a ser conduzido para a delegacia, mas foi liberado na sequência.

“Ele admitiu que agrediu a vítima e alegou que assim o fez por sofrer assédio moral”, afirmou o delegado Fernando Carvalho Gregório. Ele também justificou a decisão de liberar Demétrius, dizendo que houve um “fato criminoso” e não uma “situação de flagrante”. “O fato também é analisado pelo Ministério Público (MP) e Poder Judiciário (PJ). Ao final de todos os trabalhos, teremos uma conclusão das investigações num processo, e uma eventual condenação”, continuou. Fernando ainda acrescentou não ser possível antecipar um resultado sem que tenham sido realizadas as devidas investigações.