Após acusação sem provas, Leonardo DiCaprio rebate fala de Bolsonaro e nega ter financiado incêndios na Amazônia: “Sigo comprometido”

Nesta quinta-feira (28), fomos surpreendidos por uma declaração de Jair Bolsonaro acusando Leonardo DiCaprio – sem embasamento – de estar financiando as queimadas na Amazônia. Após ter recebido a notícia, o astro de “Titanic” veio a público dar satisfações sobre a fala do Presidente da República, negando qualquer envolvimento no caso.

Em um comunicado divulgado pelas agências Reuters e Associated Press (AP) ontem (29), DiCaprio negou que teria doado recursos à WWF-Brasil. A instituição apoia a Brigada de Incêndio de Alter do Chão, que, por sua vez, foi apontada sem provas como a responsável por queimadas na região do Pará. “Apesar de serem dignas de apoio, nós não financiamos as organizações mencionadas”, rebateu DiCaprio.

Em 2014, Leonardo DiCaprio tornou-se Mensageiro da Paz da ONU, além de ser engajado nas causas ambientais há anos. (Foto: Getty)

No texto, o ator também reforçou sua posição e enalteceu a iniciativa dos brasileiros engajados em prol da floresta. “Nesse período de crise para a Amazônia, eu apoio o povo do Brasil trabalhando para salvar suas heranças naturais e culturais. Eles são um exemplo incrível e comovente de comprometimento e paixão necessários para salvar o meio ambiente”, declarou o artista.

“O futuro desses ecossistemas insubstituíveis está em jogo e tenho orgulho de me posicionar com os grupos que os protegem”, contou Leonardo, que prometeu não arredar o pé da luta pela preservação da Amazônia. “Sigo comprometido em apoiar as comunidades indígenas, governos locais, cientistas, educadores e o público geral que esteja trabalhando incansavelmente para garantir a Amazônia para o futuro de todos os brasileiros”, adicionou.

Leonardo DiCaprio na estreia de “Era Uma Vez… Em Hollywood”. (Foto: Getty)

Em julho, o ícone de Hollywood juntou-se a outros dois multimilionários – Laurene Powell Jobs, viúva de Steve Jobs, e Brian Sheth, presidente do fundo “Vista Equity Partners” – para criar a “Earth Alliance”, ONG que cuidará especificamente da causa do meio ambiente. Com essa iniciativa, o fundador prometeu que doaria 5 milhões de dólares para proteger a Amazônia, após os incêndios que bateram recordes e chamaram atenção do mundo em agosto.

Desde a época, Bolsonaro assumiu o discurso de que ONGs (Organizações Não-Governamentais) poderiam ser as responsáveis pelas queimadas. Desta vez, na fala controversa de quinta, ele reforçou sua opinião. “Uma ONG ali pagou R$ 70 mil por uma foto fabricada de queimada. O que é mais fácil? ‘Toca’ fogo no mato”, disse em uma live com apoiadores.

“Tira foto, filma, manda para a ONG, a ONG divulga, entra em contato com o Leonardo DiCaprio e o Leonardo DiCaprio doa US$ 500 mil para essa ONG”, adicionou sobre sua suposição, sem embasamentos comprovados. Então, o presidente incitou que a ajuda promovida pelo ator estaria prejudicando a situação. “Leonardo DiCaprio, você está colaborando com as queimadas na Amazônia”, alegou Bolsonaro, em meio a risadas. Assista aqui:

Na manhã de sexta (29), o político tornou a mencionar o protagonista de “O Lobo de Wall Street”, apontando mais uma vez o artista como um dos responsáveis pela tragédia ambiental. “Agora, o Leonardo DiCaprio é um cara legal, não é? Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia”, comentou em tom irônico, durante um encontro com apoiadores. Confira aqui:

O assunto tomou tamanha repercussão que logo foi parar nos mais comentados do Twitter. Não bastasse isso, a declaração polêmica de Bolsonaro estampou capas de diversos jornais e outros veículos pelo mundo. Até o momento, o chefe de Estado não se posicionou novamente.