Carol Maltesi

Modelo do Only Fans é assassinada brutalmente na Itália, e autor do crime choca ao revelar identidade

Os dois eram grandes conhecidos e, segundo o acusado, tinham um relacionamento aberto

Um crime brutal chocou a Itália no último mês: Carol Maltesi, de 26 anos, foi morta e esquartejada por seu próprio vizinho, com quem tinha uma relação aberta. A moça vendia vídeos eróticos nas redes sociais. O autor confesso do feminicídio é o bancário Davide Fontana, de 43 anos. Ele tem como hobby um blog de gastronomia e fotografia. O homem admitiu que matou, esquartejou e atirou o corpo da menina de um penhasco. A revelação da identidade de Fontana chocou a Itália, visto que ele era considerado um amigo da modelo. Foi o próprio bancário que reportou o desaparecimento de Maltesi. Ele acabou preso.

O homem contou para a polícia que estava dentro de um “jogo erótico” quando assassinou Carol a marteladas, segundo a agência italiana Ansa. O crime foi registrado na cidade de Rescaldina. “Ninguém procurou por ela, apenas sua mãe, por WhatsApp, e um ex-namorado, também por mensagens de texto. Por telefone, ninguém“, afirmou Fontana. Para evitar suspeitas, ele chegou a pagar o aluguel da casa da moça e mandar mensagens para seus contatos.

Eu a conheci pelo Instagram e tirei fotos dela de calcinha. Eu morava em Milão com minha esposa e depois decidi deixá-la porque comecei um relacionamento com Carol. Tínhamos um relacionamento aberto. Ela vendia filmes e fotos sensuais no Only Fans. Estou lhe contando tudo isso porque queria tirar esse peso das minhas costas e dizer a verdade“, declarou ele, segundo o jornal “El País”.

Acusado
Davide diz ter esquartejado Carol. (Foto: Reprodução)

Depois de esquartejar a jovem, Fontana a manteve em um freezer – que comprou por conta do crime – e, depois de dois meses, teria decidido se livrar do corpo, dirigindo por cerca de 150 km até um local em que pudesse arremessar os restos mortais. De acordo com a polícia, eles teriam encontrado partes do corpo de uma mulher dentro de sacos plásticos mas, até então, o desaparecimento de Carol não havia sido informado.

Continua depois da Publicidade

Por conta do avançado estado de decomposição, a identificação foi difícil. O que ajudou a polícia foram as 15 tatuagens da moça, que chamaram a atenção de fãs de Carol, depois que algumas imagens acabaram postadas na internet. O próprio Davide decidiu ir até a delegacia para reportar o sumiço de sua vizinha, em uma tentativa de se livrar. Entretanto, seu depoimento se mostrou confuso e, por fim, ele acabou confessando.

O crime teria sido cometido em janeiro deste ano, mas o corpo só foi encontrado em 21 de março. A vítima trabalhou como vendedora de uma loja em Milão, antes de entrar para o universo de conteúdos sensuais na internet. Seu nome artístico era “Charlotte Angie”. Carol era mãe de um menininho, e se apresentava nas redes sociais como artista e modelo.

Carol
A moça deixa um filho de seis anos. (Foto: Reprodução)

Segundo fontes próximas a ela, Maltesi mantinha uma relação de confiança com o acusado. Elas afirmaram à Ansa que o homem tinha acesso às chaves da casa da vítima. Em 13 de março, inclusive, Fontana publicou nas redes uma foto antiga da modelo que, àquela altura, já estava morta há dois meses.