Justiça move ação contra apresentador Aldery Ribeiro, após fala ofensiva sobre pessoas com deficiências; saiba os detalhes!

A fala desrespeitosa do apresentador Aldery Ribeiro sobre pessoas com deficiências o colocou em maus lençóis com as autoridades. A Justiça da cidade de Campo Mourão, no Paraná, anunciou que está movendo uma ação civil pública contra o profissional, após ele comparar discussão em redes sociais com os atletas da Paraolimpíada.

No dia 30 de abril, durante a exibição do programa “TV em Ação”, o jornalista falou: “Opinião minha, particular, e tenho certeza que muita gente não concorda e critica, eu respeito. Pra mim, o seguinte: discutir em rede social é igual participar das paraolimpíadas, com todo respeito. Você pode até ganhar, mas você continua deficiente, com pouca visibilidade e não é exaltado, aplaudido como os outros”.

Continua depois da Publicidade

Como se não bastasse falar tudo isso uma primeira vez, Aldery praticamente repetiu tudo e se referiu às pessoas com deficiência como ‘aleijados’. “Então não adianta brigar. Pra mim, eu penso assim, discutir em rede social é igual participar de competição paraolímpica, você ganha e continua deficiente, aleijado, e os outros não te aplaudem, não te exaltam e muito menos te dão o valor que você merece”, disse.

View this post on Instagram

#Repost @inclusao.psb40 with @repostsaveapp ・・・ MOÇÃO DE REPUDIO AO APRESENTADOR ALDERY RIBEIRO DA TV CARAJÁS(PR): O apresentador paranaense Aldery Ribeiro em seu programa "TV e Ação " do dia 04/05/2020 se mostra extremamente preconceituoso e capacitista em suas palavras: "Discutir em rede social é igual participar das paraolimpíadas, você pode até ganhar, mas continua deficiente e com pouca visibilidade (…) Discutir em rede social é igual disputar paraolimpíadas, você ganha e continua deficiente, aleijado, o que que adianta?"" O que adianta é que somos 45 milhões de brasileiros, que lutamos por nosso espaço digno na sociedade apesar dos capacitistas de como este senhor! CAPACITISMO NÃO! #deficienciaemfoco #capacitismo #preconceito #pcd #pessoacomdeficiencia #midia #psb40

A post shared by Deficiência em Foco (@deficienciaemfoco) on

Continua depois da Publicidade

O processo está sendo movido pela 3ª Promotoria de Justiça de Campo Mourão. Os documentos pedem a retirada do vídeo do site oficial da emissora e a condenação tanto de Aldery Ribeiro como do próprio canal, a TV Carajás, por danos morais coletivos. Caso eles percam a ação, terão que pagar o valor de R$ 200 mil, que será revertido para o Fundo Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência.