Header (5)

Gêmeos unidos pelo crânio são separados após nove cirurgias no RJ, e resultado emociona; assista

Os gêmeos Arthur e Bernardo, de 4 anos, passaram toda a vida no hospital, sendo submetidos a diversos procedimentos

Os gêmeos Arthur e Bernardo, de 4 anos, nasceram unidos pela cabeça, compartilhando um pedaço do cérebro e a principal veia que leva o sangue de volta ao coração. Após nove cirurgias, foram separados. Ao “Fantástico” deste domingo (31), na Globo, os pais Adriely e Antônio contaram a história deste caso emocionante na medicina, que foi tratado através do SUS, no Rio de Janeiro.

O casal, de Boa Vista, em Roraima, já tinha duas filhas quando a mulher engravidou pela terceira vez. E no primeiro ultrassom, veio a notícia. “Eles falaram que era uma coisa estranha. Não eram exatamente duas crianças perfeitas. Uma cabeça com dois corpos”, lembrou o pai. Com seis meses de gestação, Adriely começou a se sentir mal e acabou transferida para o Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, no Rio de Janeiro. No hospital, ligado à Fiocruz, Bernardo e Arthur nasceram unidos pelo crânio e pelo cérebro.

Continua depois da Publicidade

A incidência é de um caso para cada 2,5 milhões de nascidos vivos. Com oito meses de idade, os irmãos chegaram ao Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer. Um médico estrangeiro contraindicou o procedimento de separação. “Esses gêmeos se enquadraram na classificação mais grave, mais difícil e com maior risco de morte para os dois”, explicou o neurocirurgião brasileiro Gabriel Mufarrej, que mais tarde viria a operá-los. “Nesse dia, eu fiquei tão desesperada, porque eu não aceitava o diagnóstico”, relatou Adriely.

“Eu falei para ela, ‘Adriely, talvez a gente seja capaz de separar essas crianças’. Eu apreendi uma coisa, quando você tem 1% de chance, você tem 99% de fé”, detalhou Mufarrej, que não se opôs ao procedimento. Em um ano de vida, completado em setembro de 2019, Arthur e Bernardo não conheciam outro ambiente senão o hospitalar. Os gêmeos dividiam cerca de 15% do cérebro, além de uma veia grande e muito importante que conduzia o sangue de retorno aos corações dos dois. “Foi uma grande dificuldade. Como a gente vai separar os dois, se eles têm uma veia única de drenagem? Que é vital para os dois”, pontuou Gabriel.

Contrariando estatísticas, o neurocirurgião marcou a primeira operação: “Eu batizei a primeira cirurgia de cirurgia do medo, do desconhecido. Essa tinha que encorajar a gente de seguir com as outras”. Os procedimentos seguintes foram acontecendo com intervalos de três a quatro meses para desconectar, aos poucos, a veia do cérebro de um dos irmãos. Assim, o cérebro teria tempo de recompor os vasos do seu sistema circulatório. O médico destacou que os cérebros de crianças se regeneram muito rápido.

“A cada cirurgia era um alívio. A gente ia vendo que estava dando certo”, contou a mãe. “Mas, mesmo assim, com o coração na mão. A gente não sabia o que iria acontecer”, completou o pai. Foram mais de três anos de internação, com diversas ressonâncias magnéticas e tomografias nos gêmeos para que a equipe médica conseguisse entender essa estrutura cerebral tão diferente. Para auxiliar nos exames de imagem, os neurologistas decidiram fazer modelos cerebrais em 3D, e essas réplicas foram fundamentais durante as cirurgias.

Header
Caso de Arthur e Bernardo surpreendeu os médicos. (Fotos: Reprodução/Fantástico)

“Várias vezes, durante as cirurgias, eu me perdia. A gente tinha que parar, sair de campo, para um auxiliar me mostrar [os modelos em 3D] e me ajudar a me localizar”, detalhou Gabriel. A médica pediatra Fernanda Fialho frisou os desafios do caso após as cirurgias. “A gente queria que eles aprendessem a andar, a desenvolver a linguagem. Mas, eles estavam no hospital e os instintos são precários. E, então, a gente colocava eles no chão, cortou o cabelo deles, fez festa de aniversário, ensinou eles a falar… A gente se sente parte da família”, declarou a médica.

Header (2)
Gabriel Mufarrej contou com a ajuda de modelos de cérebro em 3D para as operações. (Foto: Reprodução/Fantástico)

Cada vez que Arthur e Bernardo eram operados, a situação ficava mais complexa. “Havia risco de morte em potencial em todas as cirurgias”, evidenciou Mufarrej. Depois de sete cirurgias, o neurocirurgião decidiu buscar ajuda para a separação total e recorreu ao médico Owasi Jeelani, de Londres. Atualmente, o britânico é o profissional com mais experiência em separação de craniópagos pelo mundo. “Esse caso em particular era desafiador porque era o par de gêmeos mais velho que a gente separaria”, disse o inglês.

Após oito meses de encontros virtuais, Jeelani veio ao Brasil para as duas últimas e mais importantes operações. “A gente chegou a fazer três simulações com toda a equipe médica para ter certeza do que faríamos no dia”, afirmou a pediatra. Os médicos foram divididos em dois grupos: para cuidar de Bernardo, os profissionais formaram a equipe vermelha. E para o Arthur, a equipe era azul.

“A cirurgia começou às seis horas da manhã e demorou treze horas, terminou de noite. As crianças ficaram mantidas em coma induzido, sedadas e na UTI. Nós fizemos a separação de um lado, ainda faltava o outro”, contou Mufarrej sobre a oitava cirurgia. No dia 9 de junho, ocorreu a nona operação, que durou 23 horas, cercada de muita apreensão. “Foi muito difícil. Eu me perguntava se a gente iria conseguir. Em um momento, teve um sangramento enorme, e os anestesistas ficaram em pânico. Depois, nós conseguimos controlar”, detalhou o neurocirurgião.

Header (3)
Equipe médica celebrou cirurgia com muita emoção. (Foto: Reprodução/Fantástico)

Os irmãos saíram do centro cirúrgico separados. “Ninguém conseguia falar nada. O silêncio tomou conta. Era muita emoção”, confessou Gabriel. A cena dos médicos saindo da sala foi tomada por felicidade. “Eu não estou acreditando que meus filhos estão separados”, disse Adriely, aos prantos. “Eu gritava de alegria”, completou ela.

Header (1)
Gêmeos seguem em recuperação após nove cirurgias. (Fotos: Reprodução/Fantástico)

Arthur e Bernardo seguem em recuperação. “Eu acredito que eles vão ter algum grau de comprometimento. Algum atraso cognitivo e disfunção motora. Mas, assim, eles têm um futuro que ninguém esperava que eles fossem ter”, assumiu o cirurgião. “Eles já passaram por tanta coisa, já sofreram tanto. Eles são muito guerreiros. Nosso coração é só gratidão”, afirmou a mãe dos gêmeos.

As cirurgias no Instituto Estadual do Cérebro foram todas custeadas pelo SUS. “Elas são muito caras. São milhões envolvidos. E o SUS foi parceiro da gente”, declarou Gabriel. O hospital foi convidado a ser um parceiro da Fundação Gemini Untwined, criada pelo doutor Owase Jeelani. A equipe do médico Gabriel Mufarrej será referência para futuras cirurgias de separação de gêmeos unidos pela cabeça na América Latina.

Em agosto, os gêmeos completarão 4 anos de vida. “É o primeiro aniversário que eles vão se ver rosto a rosto, e vão poder se tocar”, pontuou o médico. “O maior sonho é ver eles recuperados, com saúde e até com uma vida social como as outras crianças. Poder estudar, poder jogar bola”, destacou o pai. “Sentir o sol, o vento. Eles estão internados desde que nasceram. Agora é só felicidade”, comemorou a mãe. Assista na íntegra: 

Siga o Hugo Gloss no Google News e acompanhe nossas notícias!