Record é acusada de racismo após citar Beyoncé e usar imagens de”Black Is King” em matéria sobre “magia negra”; entenda

A TV Record foi alvo de críticas nesta quarta-feira (6), após o programa religioso da Igreja Universal do Reino de Deus associar magia negra a Beyoncé. Em uma matéria da atração, o assunto “magia negra e bruxaria” foi pautado. E, de exemplo, foi usado o caso em que Kimberly Thompson, ex-baterista de Beyoncé, a acusou de realizar tais práticas. Além disso, imagens de “Black Is King” — filme em que a cantora exalta a cultura negra — foram mostradas para ilustrar a reportagem, o que revoltou os internautas.

“Tem muita gente se envolvendo com magia negra, inclusive pessoas famosas […] Uma prática obscura, famosa mundialmente pelo sacrifício de vidas. No Brasil, muitos crimes já foram motivados pela magia negra”, anunciou o bispo Adilson Silva, que comandava o programa. A matéria ainda explicou o que é magia negra, de acordo com os dogmas da igreja comandada por Edir Macedo.

Continua depois da Publicidade

O caso resgatado pelo programa ocorreu em 2018, quando a baterista foi à justiça norte-americana afirmando que Beyoncé praticou bruxaria e magia negra contra ela. Segundo o “The Blast”, Thompson disse que a estrela teria usado os feitiços para assassinar o seu gato de estimação e solicitou uma ordem de restrição.

Nas redes sociais, o assunto foi tão comentado, que a hashtag #RecordRacista entrou para os tópicos mais citados do Twitter. “Em pleno 2021, a Record fez uma matéria insinuando que Beyoncé pratica ‘magia negra e bruxaria’. Enquanto falavam essas atrocidades, a emissora usou imagens de Black Is King, filme de Beyoncé que exalta a cultura africana!”, criticou a página “Beyoncé Access”.

Diversas pessoas concordaram com a reclamação e ficaram revoltados com a abordagem. A vereadora de São Paulo, Luana Alves, escreveu: “Em pleno 2021, um canal de concessão pública apresenta uma matéria que demoniza as culturas africanas, acusando Beyoncé de praticar ‘magia negra’, e dizendo que esse termo significa a prática sobrenatural para o mal. Não tem outro nome se não racismo”.

Confira a repercussão:

 

No entanto, outras pessoas tiveram uma opinião contrária: Eu não entendi esse caso da #RecordRacista, em nenhum momento a Record disse que ‘Sim, ela usava Magia Negra’, ela apenas disse de um caso no passado onde a baterista acusou ela de praticar bruxaria e que isso repercutiu. Gostaria que me dissessem aonde ela foi racista, questionou um usuário no Twitter.

Já esse perfil explicou o motivo das críticas à Record: “O que revolta é a forma ridícula e mal estudada que fizeram essa reportagem, se a intenção era chamar a atenção com um nome mundialmente famoso, parabéns, eles conseguiram”.