Pai de Meghan Markle pode testemunhar contra a própria filha em processo: “Tem o direito de contar sua versão”; entenda!

O conto de fadas de Meghan Markle e seu príncipe Harry também enfrenta vilões na vida real… De acordo com o The Telegraph, o pai da duquesa de Sussex, Thomas Markle, pode testemunhar contra a própria filha em um processo movido por ela e o marido contra o jornal Mail on Sunday.

A publicação explicou que o nome de Thomas aparece muitas vezes nos documentos do processo, principalmente sendo indicado como uma pessoa que teria muitas ‘evidências’ que ajudariam na defesa do tabloide britânico. Inclusive, a família já está na expectativa sobre a possibilidade. “Se ele for chamado, ele irá comparecer”, disparou Samantha Markle, irmã da duquesa.

Os pais de Archie acionaram judicialmente o jornal e a empresa que o administra por mau uso de informação privada, violação de direitos autorais e violação da Lei de Proteção de Dados de 2018 ao publicarem uma carta que Meghan havia escrito para o pai.

Harry e Meghan se casaram em 2018 sem a presença do pai da moça na cerimônia. Foto: Getty

“Iniciamos um processo judicial contra o Mail on Sunday e sua empresa controladora Associated Newspapers, por causa da publicação intrusiva e ilegal de uma carta privada escrita pela duquesa de Sussex, que faz parte de uma campanha desse grupo de mídia para publicar informações falsas e histórias deliberadamente depreciativas sobre ela e o marido”, dizia o comunicado do porta-voz dos duques.

O processo teria incluído também as mensagens de texto que Thomas trocou com a filha às vésperas do casamento real, em 2018. A última mensagem que ele recebeu foi “advertindo-o por conversar com a imprensa, dizendo-lhe para parar e o acusando de causar dano à filha“. O texto foi assinado “Com amor, M e H” e, segundo ele, “não o questionavam sobre seu estado de saúde em nenhum momento”.

Na época do casamento real, Thomas Markle apareceu em diversos programas de televisão e jornais falando sobre a filha e o genro. Foto: Reprodução/ITV;YouTube

A defesa do Mail on Sunday argumenta que existe um interesse “gigantesco e legítimo” na vida dos membros reais — e, por isso, eles tinham o direito de publicar a carta. “Existe um interesse público na família real, nas suas atividades, conduta e padrões de comportamento de seus membros. Isso se estende não apenas à conduta pública, mas também às relações pessoais e familiares, porque são parte integrante do bom funcionamento da monarquia”, alegaram.

Em fevereiro de 2019, a People publicou uma matéria com amigos de Meghan que a defendiam das manchetes que sujavam sua reputação. Em outubro, Thomas leu o artigo da revista e sentiu a necessidade de liberar partes da carta com o intuito de “se defender”. “O pai tinha o direito de contar sua versão do que havia acontecido entre ele e sua filha, incluindo o conteúdo da carta”, afirmou o jornal Mail on Sunday, pelo The New York Times.