Afe

Âncora de jornal do Afeganistão é cercado por soldados armados ao vivo, e obrigado a elogiar o Talibã; assista

Momentos de tensão vividos por civis no Afeganistão… Neste final de semana, circularam pelas redes sociais vídeos de um âncora de um telejornal do país, cercado por soldados do Talibã armados, enquanto dava as notícias. Apesar da situação aparentemente desesperadora, o jornalista pedia para que seus telespectadores ficassem tranquilos.

O episódio aconteceu durante a apresentação do programa Pardaz, de debate político do canal afegão Peace Studio. Atrás dele, homens armados aparecem parados, encarando o profissional. Mesmo parecendo nervoso, o âncora falou com calma, lendo uma carta vinda dos terroristas que aconselhava os cidadãos a “cooperarem com o grupo e não terem medo“.

Segundo o site Unilad, acredita-se que os soldados talibãs tenham invadido o prédio do canal de TV e obrigado o jornalista a conversar com eles. A repórter da BBC, Yalda Hakim, compartilhou as imagens em seu Twitter no domingo (29). “Surreal. O debate político é assim na televisão afegã agora, soldados do Talibã acompanhando o âncora. O apresentador fala sobre o colapso do governo de Ashraf Ghani (ex-presidente do Afeganistão) e afirma que os Emirados Islâmicos (Talibã) disse que as pessoas não deveriam ter medo“, escreveu a jornalista, que fugiu do país asiático ainda criança. Assista:

Em um segundo vídeo, o âncora ainda entrevista um dos membros do grupo terrorista. A invasão do noticiário aconteceu no momento em que o Talibã tenta reformar sua imagem, parecendo “mais moderado”, segundo o jornal The Tribune India. O grupo tem encorajado que os cidadãos retornem aos seus trabalhos, prometeu liberdade de expressão para a imprensa, “dentro de sua estrutura cultural”, e garantiu para as mulheres que manterão seus direitos, contanto que eles coincidam com as leis Islâmicas.

Continua depois da Publicidade

Entretanto, não é isso que reportam os afegãos. Já existem diversas denúncias de brutalidade ocorrendo no país, inclusive contra os trabalhadores da mídia. Um repórter e um câmera do Afeganistão foram agredidos pelo Talibã enquanto gravavam em Cabul, capital do país, afirma o International Business Times. Além disso, membros do grupo teriam matado um familiar de um jornalista do Deutsche Welle, e invadido a casa de três outros.

Esta terça-feira (31), marca a data-limite para a retirada das tropas estadunidenses do Afeganistão, após 20 anos de ocupação. A saída dos Estados Unidos faz parte de um acordo feito entre o país e o Talibã, e muito criticado por especialistas e líderes internacionais. Agora, os cidadãos afegãos estão sob comando do grupo terrorista mais uma vez, como ocorreu entre 1996 e 2001.