Como Ghislaine Maxwell, cúmplice do pedófilo Jeffrey Epstein, evitou por quase um ano a cadeia? Entenda o caso e saiba onde ela se escondeu

Nesta quinta-feira (2), o FBI anunciou a prisão de Ghislaine Maxwell, ex-namorada e sócia do pedófilo e estuprador Jeffrey Epstein. A famosa socialite de 58 anos recebeu seis acusações por seu suposto envolvimento nos abusos praticados por Epstein — anteriormente, Maxwell já havia negado sua participação. Ela foi indiciada por ajudar a aliciar meninas, menores de idade, que foram abusadas pelo financista bilionário. De acordo com os documentos legais do caso, Ghislaine “seduzia e fazia com que vítimas menores de idade viajassem a residências de Epstein” e atuava na “preparação das meninas para serem submetidas a abuso sexual”.

Ghislaine, que é amiga de personalidades como o príncipe Andrew e o presidente Donald Trump, foi encontrada em uma propriedade luxuosa em Bedford, New Hampshire, uma das duas locações onde ela se escondia, de acordo com os promotores do caso. Sua prisão colocou um ponto final em uma procura de quase um ano, que começou em julho de 2019, quando Epstein foi acusado e preso.

Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell. (Foto: Reprodução/YouTube)

De acordo com a acusação federal obtida pelo E! News, os promotores alegam que Maxwell traçou diversas estratégias para evitar ser encontrada pelos investigadores, incluindo se mudar para esconderijos diferentes em pelo menos duas ocasiões separadas. Outras ações que ela tomou incluem trocar de e-mail, número de telefone e usar um nome diferente ao enviar e receber pacotes pelo correio.

O último esconderijo de Ghislaine era uma casa espaçosa em uma cidadezinha pitoresca de New Hampshire. A propriedade foi, supostamente, comprada por US$ 1 milhão, cerca de R$ 5,3 milhões, por uma sociedade anônima de responsabilidade limitada. Segundo a CNBC News, muitos dos residentes locais estavam completamente alheios à presença de Ghislaine. Um agente imobiliário envolvido na venda da casa, que prefere se manter anônimo, afirmou que “nunca a conheceu, nunca a viu”, e assumiu que o novo dono do imóvel fosse uma “atriz famosa”.

Epstein foi preso em 2019, mas morreu na cadeia, em um caso considerado suicídio. (Foto: Reprodução/YouTube)

Acredita-se que Ghislaine foi capaz de tomar tantas precauções, em parte por conta dos milhões de dólares que Epstein lhe deu anos antes de sua morte. Os promotores alegam que o bilionário transferiu mais de US$ 20 milhões, cerca de R$ 106 milhões, para algumas das 15 contas bancárias de Maxwell entre 2007 e 2011.

Por conta de todos esses detalhes, os promotores pediram que não seja concedida fiança para Ghislaine. “A seriedade das alegações, a força das evidências, e a possibilidade de uma longa sentença — criam um incentivo extraordinário [para Maxwell] fugir”, afirmaram.

Maxwell ao lado da supermodelo Naomi Campbell, em 2002. As duas frequentemente eram vistas nos mesmos círculos sociais. (Foto: Getty)

Jeffrey Epstein morreu em sua cela na prisão, em agosto de 2019, em um caso considerado como suicídio. Ele esperava o julgamento de uma acusação de conspiração de tráfico sexual, e outra acusação de tráfico sexual, e podia pegar até 45 anos de prisão, caso fosse considerado culpado. Epstein alegou que era inocente. Os crimes do predador sexual, a forma como ele agia, e seus aliados foram tema de um documentário recente da Netflix, “Jeffrey Epstein: Poder e Perversão”.