The Weeknd insinua que Usher copiou seu estilo no hit “Climax”: “Foi muito lisonjeiro”; entenda!

Treta à vista?! Capa da revista Variety neste mês, o cantor The Weeknd fez uma afirmação que pode ser mal recebida… Durante a entrevista para a publicação, ele afirmou que Usher se inspirou em seu trabalho na gravação da faixa “Climax”, do álbum “Looking 4 Myself”, de 2012.

O cantor acredita que a música de Usher lembra muito a mixtape “House Of Ballons”, gravada por ele em 2011 no disco “Trilogy”. Na época, o artista ainda não tinha alcançado o reconhecimento que ele tem atualmente, enquanto Usher já tinha uma carreira consolidada. “‘House of Balloons’ mudou literalmente o som da música pop diante dos meus olhos. Ouvi ‘Climax’, a música de Usher, e fiquei tipo ‘Caramba, é uma música do The Weeknd'”, disse.

Na entrevista, Abel admitiu que, na época, ficou chateado ao perceber a semelhança das faixas, mas com o tempo passou a enxergar isso como um elogio ao seu trabalho. “Foi muito lisonjeiro. Eu sabia que estava fazendo algo certo, mas também fiquei com raiva. Mas quanto mais velho eu fico, eu percebo que é uma coisa boa”, revelou. Compare as duas gravações:

Wassim Slaiby, empresário de The Weeknd, elogiou a trajetória do cliente e também comentou que ele foi precursor musicalmente falando. “As pessoas viram a ascensão, mas não têm ideia do quanto Abel e nossa pequena equipe trabalharam durante anos antes de obtermos o reconhecimento. Abel criou toda essa nova onda de R&B em que todos estão participando agora”, afirmou.

A revista People procurou os representantes de Usher e The Weeknd, mas nenhum deles respondeu às tentativas de contato. No entanto, a publicação foi mais a fundo na história e resgatou uma entrevista do produtor e DJ Diplo para o The Guardian em 2012, ano do lançamento de “Looking 4 Myself”.

View this post on Instagram

In this week's Variety cover story, The Weeknd opens up about his past, turning 30 and getting vulnerable on his first full-length album in over three years,#AfterHours. ⁠ ⁠ While the album ultimately was released to rapturous response from critics and fans as planned on March 20 — at the end of a horrifying week when the grim reality of the pandemic’s magnitude finally struck the United States — that date was by no means a foregone conclusion. Albums by Lady Gaga, Alicia Keys, Sam Smith, Willie Nelson and many others have been pushed several months, due to practical matters of marketing and touring as well as the bigger concern of appearing tone-deaf or insensitive to the fast unfolding tragedy.⁠ ⁠ The Weeknd’s team considered the possibility of delaying the album. But “I cut that discussion off right away,” The Weeknd says. “Fans had been waiting for the album, and I felt like I had to deliver it. The commercial success is a blessing, especially because the odds were against me: [Music] streaming is down 10%, stores are closed, people can’t go to concerts, but I didn’t care. I knew how important it was to my fans.”⁠ ⁠ Link in bio. (📸: @paridukovic)

A post shared by Variety (@variety) on

“A produção realmente começou como [o estilo musical] house, com uma progressão de acordes que eu escrevi, mas após um tempo no estúdio, eu estava produzindo uma espécie de ‘incêndio’ de batidas. A ideia de pressionar o sintetizador usado na house music progressiva, mas se afastando. Eu estava fazendo algo como uma gravação minimalista do techno com os clubes de striptease de Atlanta em mente”, explicou sobre o processo de produção da faixa. A People também tentou um posicionamento de Diplo, mas não obteve sucesso.

Em 2016, The Weeknd e Usher protagonizaram outro momento delicado. A voz de “Blinding Lights” pediu desculpas ao cantor depois que ele erroneamente disse que era o vocalista masculino de R&B mais premiado na história do prêmio Billboard Music Awards.