menino

Menino de 11 anos comove ao ligar para a polícia e pedir comida em BH: “Estou com fome, aqui em casa não tem nada”; ouça

A criança disse que ele, a mãe e os irmãos estavam há três dias comendo apenas farinha e fubá

Uma ligação comoveu a Polícia Militar (PM) de Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte, nesta terça-feira (2). Um menino de 11 anos chamado Miguel entrou em contato pelo 190, número em que os militares atendem emergências, para pedir ajuda à família que estava passando fome. Segundo ele, os únicos alimentos disponíveis na casa eram farinha e fubá.

No áudio da ligação, divulgado pelo jornal O Tempo, é possível ouvir o apelo do garoto. “Ô, senhor policial, aqui em casa não tem nada pra gente comer e eu estou com fome. Minha mãe só tem farinha e fubá para comer”, disse ele. A polícia, então, perguntou informações pessoais da criança como idade e com quem ele mora. Ouça o áudio completo abaixo:

Uma guarnição do 35º Batalhão foi até a casa da família acreditando que se tratava de um caso de maus-tratos. Ao chegar no local, perceberam que todos estavam bem, mas não tinham alimentos para comer. “Minha mãe estava chorando no canto, eu pedi o telefone e fui lá e liguei”, explicou Miguel ao portal G1.

Continua depois da Publicidade

Célia Arquimino Barros, de 46 anos, é mãe do garoto e tem mais cinco filhos. Eles vivem todos juntos no bairro de São Cosme. De acordo com o boletim de ocorrência, a mulher revelou que não sabia que Miguel tinha ligado para a PM. À TV Globo, Célia contou que atualmente está desempregada e faz alguns bicos para ganhar dinheiro. Mesmo assim, não é o suficiente para sustentar a família. “Eu vivo do auxilio emergencial e o pai manda R$ 250, mas não é todo mês que ele manda”, falou.

mãe
Célia Arquimino Barros cuida dos seis filhos e não sabia que Miguel tinha feito a ligação. (Foto: Carlayle André/TV Globo)

A mãe ainda relatou que estava sem comprar comida há quase três semanas. “Eu só tinha fubá e farinha. Já tinha uns três dias que a gente estava assim. E que já tinha acabado as coisas, já tinham mais de 20 dias, mas ainda tinha um pouquinho de arroz, de algumas coisas. Mas há três dias só tinha farinha e fubá”, afirmou. 

O tenente Nilmar Moreira contou ao GLOBO que nunca tinha recebido um chamado desse tipo. “Essa foi a primeira vez que recebemos uma ocorrência assim. Em 24 anos, nunca recebi um chamado desse, e não me recordo, nos seis anos em que trabalho neste batalhão, de ter visto um caso parecido. Acredito que a crise econômica tenha afetado as pessoas menos favorecidas e, vendo o desespero da mãe, aos prantos, só restou a ele pedir ajuda”, comentou.

Continua depois da Publicidade

Comovidos com a situação, os policiais decidiram se mobilizar para ajudar a família. “Os militares foram até um mercado e iam comprar alimentos com o dinheiro do próprio bolso, mas o gerente do estabelecimento ficou comovido e doou uma cesta básica”, relembrou o tenente. Ainda segundo o jornal, após a doação da cesta básica, todos os presentes ficaram bastante emocionados.  A mulher também foi orientada a buscar auxílio de órgãos de assistência social.

policiais
Policiais estiveram na casa do garoto e auxiliaram a família. (Foto: Carlayle André/TV Globo)

PM vai continuar ajudando a família e pediu para quem puder contribuir com a doação de alimentos, entrar em contato com o 35º Batalhão de Polícia Militar. Os interessados em auxiliar podem ir até lá pessoalmente, ou falar diretamente com a assessoria de comunicação através do telefone (31) 3244 9688. 

Siga o Hugo Gloss no Google News e acompanhe nossas notícias!