Ex-editor da Vogue detona Anna Wintour em biografia: “Incapaz de bondade”; Membros da indústria da moda se sentem “vingados”, afirma jornal

Nesta segunda-feira (04), deveria acontecer o famoso Met Gala, baile organizado pela Vogue norte-americana no Metropolitan Museum of Arts em Nova York. No entanto, por conta da pandemia do novo coronavírus, o evento foi adiado. Isso não quer dizer que a editora-chefe da revista, Anna Wintour, não esteja nas manchetes nas últimas semanas.

Recentemente, um trecho do livro biográfico de André Leon Talley, ex-editor da publicação, foi divulgado. Em “Chiffon Trenches” (“Trincheiras de Chiffon”, em tradução livre), Talley revelou que ficou com “enormes cicatrizes emocionais e psicológicas” de seu relacionamento com a toda-poderosa. Os dois, antes amigos, tiveram um desentendimento há alguns anos — Anna teria, inclusive, dito que ele era “velho demais, acima do peso e sem graça”.

Apesar de Talley reconhecer que Anna ajudou sua carreira, assim como a de diversos designers, ele afirma que ela “é incapaz” de “bondade humana”. O famoso designer Ralph Rucci, amigo de Talley, também escreveu no Instagram que “a porta [para criticar Wintour] se abriu… Houve tanta destruição e maldade pessoal, e agora talvez outros se sintam seguros para falar”. 

View this post on Instagram

…..Now you DO REALIZE that a door, locked for years, out of fear of retribution for truth, has been OPENED WIDE. My dear friend and man of such vision, intelligence, and hurt has spoken forth regarding the British woman who works at Vogue. I am proud of him for taking this step because there has been so much personal evil and destruction, and now perhaps others will feel safe to speak. Last night He asked when will I find my space of strength and tell all. I told him and you that I will…. now he must take center stage. I have been working on all of the evil memories, and we have emailed and photographed proof along with many, many people who came forth and spoken….. and I will write about what I had to contend with concerning this very, very meaningless person who deeply knew that she had no substance to exist in the realms of Snow, Vreeland, Mirabella, Orton, Weir, and thus she had to ice berg her self to float through the sea and destroy not help our metier. It’s finished! The recalibration of life, perspective, and the essence, which is the need and destination of love, will now lift this disease. Oh, she did not act alone, she had a diabolical man who assisted in the santanic plan. Karma. It’s a severe injury to the brain to realize that we have tolerated this mediocrity in our metier for almost four decades.

A post shared by ralph rucci (@ralphrucci) on

Um editor de moda de uma publicação concorrente à Vogue contou ao jornal The Post que os membros do mundo fashion estão aliviados com o rumo que esta história está tomando. “Todos na indústria olharam a história de André e Ralph com muito prazer”, contou. Em outros tempos, falar mal de Anna seria como cometer suicídio na carreira. Porém, alguns insiders da moda afirmam que as histórias que estão surgindo “vingam” aqueles que se sentiram esnobados pela editora-chefe durante os anos, e expõem rachaduras no poder quase indestrutível que ela teve por décadas.

Anna Wintour e André Leon Talley, quando ainda eram amigos. (Foto: Getty)

“Tenho muitos amigos que trabalharam na Vogue que se sentem vingados”, disse uma socialite que costumava trabalhar na editora Condé Nast, sobre o livro de Talley. A obra estava prevista para sair em maio, na mesma semana do Met Gala, mas foi adiada para setembro por conta da pandemia. No entanto, de acordo com o Women’s Wear Daily, a cobertura dos detalhes mais polêmicos do livro criou muito interesse público, e o livro será lançado no dia 19 de maio.

Continua depois da Publicidade

O timing da publicação não poderia ser pior para a editora-chefe, sempre tão meticulosa e perfeccionista. “Ela não pode sair para se defender publicamente. Ela perde uma grande plataforma [com o cancelamento do Met]. É seu evento principal, e uma grande vitória para a revista”, disse o editor anônimo.

Sem baile, uma versão mais “suave” de Anna tem sido fotografada em casa, usando calças esportivas e promovendo uma iniciativa feita pela Vogue e o Conselho dos Designers de Moda da América, que visa arrecadar dinheiro para aqueles na indústria que foram mais afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Informantes apontam para o fato de Rucci, um designer bastante querido por algumas socialites, não aparecer regularmente nas páginas da Vogue. “Muitos dos estilistas que foram ‘deixados de fora’, por assim dizer, provavelmente sentem como se o muro de Berlim tivesse caído — e há algo animador sobre sua liberdade”, disse Aliza Licht, que costumava trabalhar nas comunicações internacionais da marca Donna Karan, e atualmente é a apresentadora do podcast “Leave Your Mark”. “É tipo, ‘Oh, ótimo, agora nós não precisamos nos importar que eles não se importam conosco”, acrescentou.

Continua depois da Publicidade

Essa “liberação” dos meios tradicionais de mídia, como a Vogue, se deve ao abalo sísmico pelo qual o mundo da moda tem passado. Agora, marcas podem depender de outras meios, como o poder das redes sociais e das celebridades — não precisando mais do “selo de aprovação” de Anna. “O poder da Vogue diminuiu com o tempo — e com a indústria evoluindo. É barulho no fundo. Não é mais o principal”, disse o insider.

De acordo com o The Post, Talley mandou uma versão de seu livro para Anna e ela pediu para que ele fizesse algumas alterações, o que ele fez. Mas fontes dizem que a editora-chefe também ficou extremamente magoada pela natureza pessoal dos ataques na obra, assim como seus leais colegas na revista. “Eles acham que ele ficou louco e não entendem porquê ele faria isso”, disse um informante dentro da Condé Nast. “Anna tem muitas pessoas que trabalharam com ela por muito tempo, e que não têm nada além de respeito e adoração por ela. Ela é uma pessoa que leva seu trabalho muito a sério. Ela é estratégica e meticulosa. Essas são qualidades de uma CEO”, acrescentou Licht.

Continua depois da Publicidade

Uma fonte próxima à Anna garante que o poder dela não diminuiu, e ela ainda é a única pessoa capaz de mover o mundo fashion durante a crise: “Mais do que nunca nesse momento, ela é a pessoa que você quer no comando”.

Apesar de toda a polêmica, um dos informantes garante que não vê Anna Wintour deixando seu  “trono” tão cedo, e que ela pode enfrentar as pessoas que a apunhalam pelas costas: “A moda é um negócio sujo”. Um novelão fashion, hein?