Filme de terror viraliza no TikTok e deixa público APAVORADO com cenas perturbadoras: “Uma das piores coisas que já vi”; Diretor publica alerta — vem ver!

O controverso filme de terror “Megan is Missing”, de 2011, saiu do limbo e voltou a repercutir recentemente após viralizar no TikTok. A produção – que já foi banida na Nova Zelândia – traumatizou uma série de espectadores e seguiu causando polêmica pela web. Com tanta repercussão, o próprio diretor do longa, Michael Goi, fez um aviso importante ao público que pretende assistir à produção.

Apenas no TikTok, a hashtag #MeganIsMissing atingiu mais de 87 milhões de visualizações. Pela rede social, são vários os vídeos e relatos de pessoas que assistiram à produção – mas saíram bastante apavoradas. “É a coisa mais perturbadora que eu já assisti, me senti muito ilegal em assistir ao final dele e meu coração está partido”, disse uma usuária.

@nah.tuh.l33its the most disturbing thibg ive EVER watched, it felt very illegal to watch the end of it and my heart is broken ##meganismissing♬ Remember That Night? – Sara Kays

“Não sou de ter o estômago frágil, mas isso foi uma das piores coisas que vi na minha vida, tenham cuidado”, escreveu outro jovem apavorado. Uma internauta também deixou sua recomendação: “Se você está pensando em assistir ‘Megan is Missing’, não assista. Eu amo filmes de terror e de suspense/mistérios de assassinatos, eu consigo assisti-los facilmente, mas esse eu não vou esquecer. Eu nem consegui terminar”. No geral, todos apenas concordaram que “é muito perturbador de se assistir”. Veja algumas reações:

@tiagoponnno soy de tener el estómago frágil pero esto fue una de las peores cosas que vi en mi vida, tengan cuidado ##meganismissing♬ original sound – AntiNightcore

Continua depois da Publicidade

@lilnutmeggjust take my word for it please. & if you want to know more about it before watching pls ask me ##meganismissing ##fyp ##BeKind ##OnHold ##foryoupage♬ original sound – AntiNightcore

@stephpappasVery disturbing to watch. ##meganismissing ##movie ##scary♬ original sound – laura🏴‍☠️

Continua depois da Publicidade

No Twitter, não foi diferente. O assunto se tornou um dos mais comentados e atingiu mais de 55 mil tuítes recentes, de acordo com a Entertainment Weekly. Pelo Brasil e pelo mundo, o trauma se manteve único. “Acabei de ver ‘Megan is Missing’ e quero beber cloro. P*ta merda aquilo é tão perturbador”, contou um brasileiro. Outros aproveitaram para dividir seus relatos, ou levantar mais alertas sobre a história. Dá uma olhada:

“Eu assisti à ‘Megan is Missing’ quando eu era realmente pequena e eu só queria dizer… Aquilo foi traumatizante pra c*ralho, por anos eu não queria deixar minha casa e ficava assustada em deixar minha irmãzinha e meu irmão saírem de casa”, lembrou Andrea.

“Estou vendo muitos tuítes sobre ‘Megan is Missing’. É perturbador. Se você tem trauma com estupro e fica facilmente ansioso, sugiro que você não assista isso. Mas assistir espalha consciência sobre o que está acontecendo, não apenas para mulheres, mas também para homens”, pontuou um perfil.

Continua depois da Publicidade

Diretor deixa alerta ao público

Assim que soube que seu filme havia viralizado, Michael Goi entrou no TikTok e deixou um alerta de gatilho a todo o potencial público de sua produção. “Não pude dar os avisos que costumava dar às pessoas antes de assistirem ‘Megan is Missing’, que são: não assista ao filme no meio da noite, não assista ao filme sozinho, e quando você vir as palavras ‘foto número um’ surgindo na tela, você tem cerca de quatro segundos para desligar o filme, se você já estiver surtando, antes que você comece a ver coisas que talvez não queira ver”, avisou ele.

O cineasta ainda contou que soube do viral por conta da atriz protagonista do longa, Amber Perkins. O diretor também aproveitou para pedir desculpas a todos “aqueles que já postaram sobre como o filme os deixou surtados”. Assista abaixo:

@michaelgoi##meganismissing♬ original sound – Michael Goi

Mas qual é a história de ‘Megan is Missing’?

O filme conta a história de duas melhores amigas adolescentes – Megan Stewart (Rachel Quinn) e Amy Herman (Amber Perkins), que vivem em North Hollywood, na Califórnia. Depois de conhecer um rapaz e começar a conversar com ele pela Internet, Megan desaparece. Então, Amy segue em busca da amiga numa jornada bastante traiçoeira e muito perigosa. As cenas perturbadores incluem temas como estupro, pedofilia e tortura.

Continua depois da Publicidade

Um dos fatores que causa controvérsia é o estilo adotado pelo filme, conhecido como “found footage” – que é como se as imagens fossem reais, gravadas pelos personagens. Entretanto, Michael Goi não se baseou em um caso real. O longa até foi divulgado como se a narrativa fosse inspirada em uma história específica, no entanto, o cineasta apenas se baseou em relatos de sequestros de crianças. Outra curiosidade é que a produção foi filmada em 2006, mas apenas foi lançada em 2011, quando finalmente conseguiu uma distribuição pela Anchor Bay Films.

Assista ao trailer abaixo: [ALERTA GATILHO: Contém cenas de violência e imagens perturbadoras]

Banimento da Nova Zelândia

Após seu lançamento, “Megan is Missing” foi banido na Nova Zelândia por conta de seu conteúdo, classificado como “ofensivo” pelo Escritório de Classificação de Filme e Literatura (Office of Film and Literature Classification). “O filme apresenta violência sexual e conduta envolvendo pessoas jovens de tal extensão e grau, de tal maneira, que a disponibilidade dele provavelmente será prejudicial ao bem público”, disse a agência neozelandesa.

A história de Megan e Amy apavorou e muito todos os espectadores. (Foto: Reprodução/Anchor Bay Filmes)

O filme também foi alvo de críticas pelas atuações do elenco – formado por muitos atores inexperientes –, a violência gráfica contra protagonistas crianças, além da hipersexualização de adolescentes. “A intenção de Goi foi, sem dúvidas, positiva – ele é um cara legal que realmente quer salvar a vida das crianças – mas isso não impediu que ‘Megan is Missing’ fosse desprezado como um ‘pornô de tortura’: ainda se parece como um filme de exploração”, pontuou a pesquisadora e crítica de cinema Alexandra Heller-Nicholas.

Anos após seu trabalho em “Megan is Missing”, Michael Goi já esteve em outras produções renomadas, como “American Horror Story”, “Scream Queens”, “O Mundo Sombrio de Sabrina” e “Riverdale”. Mas deu para ver que seu primeiro filme ainda vai dar o que falar, hein?