Fotojet (18)

Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert revelam imagens comendo placenta da filha, após parto; assista e confira reações da web

Após divulgarem que casaram durante a pandemia, Rodrigo Hilbert e Fernanda Lima resolveram compartilhar com o público imagens nunca antes vistas do dia em que a caçula dos apresentadores, Maria Manoela, nasceu. A gravação foi exibida durante o programa “Bem Juntinhos” da última quinta (6), e mostra o casal junto dos primogênitos, os gêmeos João e Francisco, se preparando para a chegada da pequena.

Um trecho específico da filmagem, entretanto, tem chamado bastante atenção dos internautas, que se espantaram ao ver os papais ingerindo pedaços de placenta, após o parto de Maria. “Para chocar a sociedade“, diz a uma médica no clipe, ao servir Fernanda com um pedacinho do órgão. Em seguida, foi a vez de Rodrigo. “Agora pra mim”, avisa o loiro, com a boca aberta. “Para chocar ainda mais a sociedade”, brinca novamente a funcionária, aos risos. Assista:

A cena, como já previsto pela profissional de saúde, chocou várias pessoas. “Eu não estava preparado pra ver a Fernanda Lima e o Rodrigo Hilbert comendo placenta depois do parto”, admitiu um rapaz, no Twitter. “Eu estou completamente chocada que a Fernanda Lima e o Rodrigo Hilbert comeram a placenta da filha deles, ESTOU CHOCADA”, comentou outra. “Não entendi, por que a Fernanda Lima e o Rodrigo Hilbert comeram a placenta da filha deles?”, questionou uma terceira.

Embora polêmica, a prática de ingerir placenta, seja ela cozida, em cápsulas ou in natura, tem se tornado comum especialmente entre celebridades, como Kim, Kourtney e Khloé Kardashian, Chrissy Teigen, Hilary Duff, Mayra Cardi e Bela Gil. A placentofagia teria como objetivo ajudar a prevenir a mãe de sofrer com depressão pós-parto, além de supostamente contribuir para a amamentação.

O ato, entretanto, não tem o aval da ciência. “Não há aumento na produção de leite e nenhum benefício no humor – todos os benefícios são entendidos como efeito placebo”, explica a Dr. Sara Swift, uma obstetra consultada pela revista People. Outro levantamento feito por pesquisadoras norte-americanas, ainda neste ano, também concluiu que não há benefícios em se comer placenta, seja qual for a maneira como foi preparada.

O estudo, feito na Faculdade de Medicina de Northwestern, em Chicago, analisou dez pesquisas sobre o tema publicadas recentemente e disse não ter encontrado evidências de que o consumo de placenta ofereça proteção contra depressão pós-parto, ou que reduza dores, dê mais energia, ajude na amamentação, promova a elasticidade da pele, auxilie no vínculo entre mãe e bebê nem tampouco seja fonte de ferro para a mãe, como muitos acreditam. A escolha de ingerir o órgão, ou não, fica a critério da mãe.