Fotojet

Turista filma momento em que mulher faz salto radical e morre após “falha de comunicação”; saiba detalhes

Que tragédia… Uma mulher, identificada como Yevgenia Leontyeva, de 33 anos, morreu neste domingo (10), após fazer um salto de rope jump — uma espécie de “pêndulo humano”. O acidente aconteceu em Karaganda, no Cazaquistão, e segundo o New York Post, teria sido provocado por conta uma falha na comunicação entre os funcionários da equipe que organizou o salto.

Tudo foi registrado em vídeo por um turista que também estava no local. Na gravação, Leontyveva aparece terminando de colocar o equipamento necessário para o salto. Fora das câmeras, é possível ouvir um homem dizer “eu te amo” para a mulher, que logo em seguida se posiciona e pula de um prédio com cerca de 25 metros de altura. Yevgenia cai violentamente no chão. “Apesar das medidas médicas em andamento, a paciente morreu”, anunciou um porta-voz local da área de saúde para o site East2West.

A publicação relatou que o acidente ocorreu porque Leontyveva recebeu o “sinal verde” antes que o organizador pudesse prender sua corda de segurança. Ao invés disso, ele ainda estava segurando a corda de salvamento na mão quando ela saltou. A força da queda puxou o profissional e o derrubou no chão, mas não deixou nenhum ferimento grave. Yevgenia foi socorrida e passou por uma craniotomia e a retirada do hematoma, mas infelizmente não sobreviveu.

Assista ao vídeo devidamente editado com os momentos que antecederam a queda:

Ao contrário do famoso bungee-jump, o rope jump ainda é visto por especialistas como um esporte que é praticado de forma amadora. Enquanto a primeira modalidade conta com protocolos de segurança e diversos equipamentos desenvolvidos especialmente para o salto radical, a exemplo da corda elástica dupla, a segunda é feita com uma corda mais convencional, similar às que são utilizadas para o alpinismo. Esse material não foi criado, testado e aprovado para suportar o esforço que é feito, quando a pessoa salta e ainda faz o movimento de pêndulo.

Continua depois da Publicidade

O momento trágico foi presenciado por uma das amigas da vítima, que também se preparava para fazer o mesmo salto, e ficou completamente em pânico com a violência das cenas que presenciou. O New York Post apurou que Yevgenia Leontyeva era uma saltadora experiente e acostumada com a prática de esportes radicais. Ela deixou três filhos.

As autoridades investigam sua morte prematura em meio à suspeita de “negligência” da empresa de esportes radicais. Caso sejam considerados culpados, no entanto, os organizadores teriam apenas de cumprir no máximo 40 dias atrás das grades.