Mii

Michelle Bolsonaro é citada em conversa sobre esquemas de propina em compra de vacinas; saiba detalhes

Novos desdobramentos… No final do mês de junho, a Folha de São Paulo divulgou uma entrevista com Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da empresa Davati Medical Supply, relatando um pedido de propina que o Ministério da Saúde teria feito durante negociações de compra das vacinas contra o coronavírus. Nesta segunda-feira (12), a revista Veja expôs mais um capítulo dessa história, agora citando o nome da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, como uma das pessoas supostamente atuantes no caso.

Como já se sabe, Dominguetti é um cabo da Polícia Militar que atuava paralelamente como vendedor dos imunizantes. Desde que foi interrogado na CPI da Covid, no dia 2 de junho, ele deixou em poder das autoridades diversos registros que estão sendo usados nas investigações. Entre eles, está uma conversa do dia 3 de março, em que o oficial conversa com um interlocutor identificado como “Rafael Compra Deskartpak” justamente sobre as negociações em curso para que o grupo chegasse até Bolsonaro no Planalto.

No bate-papo, Luiz Paulo fica surpreso com os avanços das conversas e cita o nome da primeira-dama. “Michele (sic) está no circuito agora”, escreveu. “Junto ao reverendo”, completou na sequência o policial militar. O reverendo é Amilton Gomes de Paula, que abriu as portas do Ministério da Saúde para Dominghetti, agendando encontros com integrantes da pasta, e chegou a ser nomeado oficialmente pela Davati para representá-la junto ao governo no negócio.

001 Governo Lanca Politica De Educacao Para Estudantes Com Deficiencia300920200699
Michelle Bolsonaro foi citada em troca de mensagens de Luiz Paulo Dominguetti. Foto: Carolina Antunes/PR

“Rafael Compra Deskartpak” questiona se realmente estavam falando da esposa de Jair Bolsonaro. “Quem é? Michele Bolsonaro?”, perguntou. “Esposa sim”, confirmou Luiz Paulo. Por fim, o interlocutor aconselhou o cabo a entrar em contato com o CEO da Davati no Brasil, Cristiano Carvalho: “Pouts. (sic) Avisa o Cris”. A Veja, no entanto, fez questão de destacar que, ao citar Michelle na conversa, Dominguetti não deu qualquer tipo informação a respeito de qual seria a atuação dela no esquema.

Continua depois da Publicidade

No Twitter, o senador Omar Aziz, presidente da CPI da Covid, manifestou-se sobre a conversa que foi divulgada. “O nome da primeira-dama Michelle Bolsonaro surgiu hoje citado por um investigado na CPI da Pandemia. Eu sei o quanto é fácil para os desonestos de plantão citarem familiares em processos de lobby para mostrar ‘intimidade’ com o poder e aplicar seus golpes. Já fui vítima disso. É preciso responsabilidade para se chegar à verdade e não se precipitar em apontar o dedo antes de se ter provas do envolvimento de qualquer pessoa nos crimes que afloram nas investigações. Sensatez e equilíbrio são características dos justos. E é por esse caminho que vamos seguir”, ponderou.

Na matéria para a Folha de São Paulo, Luiz Paulo Dominguetti relatou um pedido de propina que teria sido feito por Roberto Ferreira Dias, diretor de Logística do Ministério da Saúde. Segundo o cabo, a negociação pedia US$ 1 (R$ 4,96) por dose comprada pela pasta do imunizante Astrazeneca. A oferta indecente teria sido feita durante um jantar entre Roberto Dias e Luiz Paulo, em Brasília, no dia 25 de fevereiro. A Davati entrou em contato com o ministério para negociar 400 milhões de doses da vacina Astrazeneca, com uma proposta que cobrava US$ 3,50 (R$ 17,50) por cada dose, depois disso o valor passou a US$ 15,50 (R$ 76,83). “O caminho do que aconteceu nesses bastidores com o Roberto Dias foi uma coisa muito tenebrosa, muito asquerosa”, afirmou Dominguetti.

No dia seguinte ao jantar, o representante esteve no Ministério da Saúde, começou a conversar com Roberto Dias sobre questões burocráticas da compra legítima da vacina com a oferta inicial. Em certo momento, Dominguetti foi deixado esperando e recebeu uma ligação. “Eu recebi uma ligação perguntando se ia ter o acerto. Aí eu falei que não, que não tinha como. Isso, dentro do ministério. Aí me chamaram, disseram que ia entrar em contato com a Davati para tentar fazer a vacina e depois nunca mais. Aí depois nós tentamos por outras vias, tentamos conversar com o Élcio Franco, explicamos para ele a situação também, não adiantou nada. Ninguém queria vacina”, declarou.

Continua depois da Publicidade

Ainda segundo os relatos de Luiz Paulo Dominguetti, Roberto Dias afirmou que “tinha um grupo, que tinha que atender a um grupo, que esse grupo operava dentro do ministério, e que se não agradasse esse grupo a gente não conseguiria vender”. Questionado pela Folha de São Paulo sobre qual “grupo” seria esse, o profissional respondeu: “Não sei. Não sei quem que eram os personagens. Quando ele começou com essa conversa, eu já não dei mais seguimento porque eu já sabia que o trem não era bom”.