Revelado o diretor que expulsou Sandy e Junior, quando crianças, de programa de TV; Profissional pede desculpas a Xororó

Muitos fãs de Sandy e Junior têm se intrigado com uma revelação feita por Xororó, no documentário “Sandy e Junior – A História”, que estreou semana passada, no Globoplay. Em um dos episódios, o sertanejo contou que os filhos foram expulsos por um diretor de um programa de TV quando crianças, e saíram da emissora chorando. A identidade do profissional, entretanto, se manteve anônima.

Segundo o músico, o desentendimento foi causado porque o diretor não via necessidade da presença dos seguranças da dupla, nos estúdios de gravação. “O cara chegou: ‘Espera aí, por causa de Sandy e Junior tem segurança aqui? Aqui não tem bandido não, pode sair todo mundo. Não quero saber de segurança aqui. Podem ir embora! Outra coisa, faz o seguinte: Fale para os artistas que podem ir embora também!'”, lembrou Xororó, às lágrimas.

O irmão de Chitãozinho também admitiu sentir mágoa do profissional, e disse que na época, cogitou até usar da força para resolver a situação. “São essas mágoas que realmente ficam. Desculpa, mas mexer com filho da gente não pode não. Você se agiganta, você vira bicho”, explicou, emocionado.

Xororó no documentário “Sandy e Junior – A História”. (Foto: Reprodução/Globoplay)

Depois de muita especulação, Marcelo de Nóbrega, diretor do programa “A Praça É Nossa”, confirmou ao site Na Telinha que ele era o envolvido na história, e contou sua versão. “Na ocasião, aconteceu isso sim. A história verdadeira foi que eles foram convidados por mim, inclusive, porque gosto muito deles, são muito queridos. Quando olho para fora, vejo chegando um ‘exército’ no SBT. Começou a entrar segurança atrás de segurança. Parecia que tinha chegado o presidente da República”, recordou.

Segundo o filho de Carlos Alberto, a confusão começou quando os seguranças da gravadora de Sandy e Junior bloquearam o acesso do elenco da “Praça É Nossa” aos camarins, impedindo uma atriz que contracenaria com a dupla de ensaiar o texto junto deles.

“Perguntei ao responsável da gravadora se podia tirar os seguranças, porque eles começaram a barrar os artistas da ‘Praça’. Falei: ‘Não é para barrar os nossos artistas por que vocês estão aqui’. Ele: ‘Não quero saber, se os seguranças não ficarem, eles não gravam’. Ele me afrontou no meu programa, na emissora onde eu trabalho. Esse cara da gravadora foi o grande culpado. Falou: ‘Se você quiser, levo eles embora’, como se não precisassem da ‘Praça’. O meu sangue ferveu, fui proteger meus artistas. Não precisava daquele exagero. Ele me enfrentou e eu o enfrentei”, declarou.

Marcelo e seu pai, Carlos Alberto, durante gravações do “A Praça É Nossa”. (Foto: Divulgação/SBT)

O diretor ainda disse se arrepender da atitude dele, e avisou que se pudesse mudar as coisas, o faria. “Eu, como pai, teria a mesma reação que ele (Xororó) teve. Hoje, eu me arrependo do que fiz. Eu podia ter dado uma volta no quarteirão e contado até dez antes de gravar. Se eu pudesse voltar atrás, eu faria, por serem dois artistas tão queridos quanto Sandy e Junior, porque eles saíram chorando de lá por uma grosseria de um profissional da gravadora que se achou mais importante do que o diretor e o apresentador do programa”, afirmou.

Por fim, um pedido público de desculpas a Xororó foi feito pelo profissional do SBT. “Eu penso em procurá-lo, mas tenho medo da reação dele. Eu me arrependi. Se eu tivesse a oportunidade, eu gostaria de me desculpar com Xororó desde a época em que aconteceu isso. Fiz, me afrontaram. O responsável da gravadora não pensou em Sandy e Junior nem no Xororó, podia ter tirado um segurança. [Preferiria] que isso tivesse acontecido até com meu ídolo Roberto Carlos, mas não com eles”, lamentou.