Glória Maria fala sobre ter fumado maconha na Jamaica, e revela o que aconteceu logo depois: ‘Fui à Marte e até hoje não sei se voltei’ – Assista

Glória Maria concedeu sua primeira entrevista ao programa “Conversa com Bial”, após sete meses de tratamento contra um tumor no cérebro. Durante um bate-papo virtual descontraído, exibido nesta segunda (19), Pedro Bial se lembrou de momentos marcantes da carreira da amiga. Dentre eles, uma reportagem do Globo Repórter eternizada em memes, na qual a jornalista aparece fumando maconha na Jamaica.

De bom humor, Bial quis saber qual foi a refeição feita pela colega após as gravações. “Pero, a gente não comeu! É folclórico esse negócio de larica. Você tem que lembrar que eu fumei aquele negócio na mais radical e pura comunidade rastafari da Jamaica. O que eles tinham lá, é algo só deles, que ninguém no mundo vai encontrar, em nenhuma situação”, enfatizou ela.

Glória ainda explicou que aquela foi uma das condições impostas pelos locais, ao visitar a comunidade. “Negociamos três meses pra entrar naquela comunidade, assinamos um papel dizendo que a gente respeitaria todos os regulamentos, inclusive rezar na entrada e fumar na saída. Depois que saímos de lá, ficamos na recepção do hotel por umas cinco, seis horas, sem conseguir voltar para o quarto. Ninguém sabia onde estava. Eu literalmente fui a Marte, e até hoje, depois daquele negócio, não sei se voltei”, contou, tirando risadas do entrevistador.

Relembre e assista a um trechinho da matéria em questão:

Num tom mais sério, a jornalista mais tarde se lembrou da implicância racista do ex-presidente João Figueiredo em suas coberturas, durante a ditadura civil-militar no Brasil. “Tira aquela ‘neguinha’ da Globo daqui’. Eu passei todo o governo [João] Figueiredo ouvindo isso. Ele não me suportava”, declarou. E, infelizmente, o racismo não diminuiu de lá para cá.

“A única diferença é que hoje as coisas ganham uma proporção maior. Nada mudou, a discriminação continua igualzinha. As pessoas acham que hoje é pior. Não, não, não. Quem não gosta de preto, não gosta. Quem é racista é racista. Não adianta a Glória Maria apresentar o Jornal Nacional, o Globo Repórter, o Fantástico. Ela é negra? Então, tem que ser discriminada ou diminuída (…) E essas pessoas sabem que são racistas e gostam de ser. Quem é racista tem o prazer de ser racista, tem prazer em diminuir o outro seja do jeito que for”, desabafou.

Por fim, ainda no assunto “política”, Glória analisou o cenário atual do Brasil, e repreendeu uma fala do presidente Jair Bolsonaro, que mandou um repórter “calar a boca” durante pronunciamento na porta do Palácio do Alvorada.

“As coisas que eu ouço agora, pra mim, são impensáveis. Vai além de qualquer imaginação. Às vezes eu penso que não é possível que estou vivendo para ver e ouvir isso tudo. Política, para mim, sempre foi uma coisa de nível tão alto, e o que estou vendo agora é de uma tristeza. Graças a Deus não cubro mais política, porque eu acho que já teria apanhado ou teria batido, com certeza”, finalizou.