Policiais arrombam carro, arrancam casal de jovens negros e os agridem com armas de choque; Cenas causam revolta, e oficiais são demitidos

Em meio aos crescentes protestos após a morte de George Floyd, um caso gerou revolta no último sábado (30). Durante a onda de manifestações, policiais pararam o carro de um casal em Atlanta, nos Estados Unidos, arrancaram os dois jovens pretos de dentro do veículo e os agrediram. As cenas chocantes foram registradas e viralizaram na web ao longo do fim de semana.

A repórter da CBS Brittany Miller estava no local e filmou a brutal ação policial. “A janela deles foi quebrada, seus pneus foram furados. Eu assisti a tudo isso se desdobrar em questão de segundos”, disse ela. A jornalista reportou que “os jovens foram arrancados de fora do carro e foram atacados com uma taser [arma de choque]. Nas imagens, é possível observar o semblante de dor do rapaz ao receber o disparo elétrico, ainda no carro.

Enquanto o casal de jovens estava no carro, os policiais quebraram as janelas, os atacaram com armas de choque e os arrancaram de dentro do veículo. (Foto: Reprodução/Instagram)

Continua depois da Publicidade

“Os policiais parecem ter vindo do nada. Por quê? Eu conseguia ouvir ela gritando, se questionando sobre a mesma pergunta. Havia vários carros ao redor e dezenas de manifestantes. Por que esse carro?”, questionou Miller, sobre a motivação omissa da polícia. Pelo Twitter, o vídeo atingiu mais de 20 milhões de visualizações e gerou muita indignação. Assista à íntegra aqui:

De acordo com o TMZ, o motivo da abordagem ainda não é claro. Algumas fontes disseram que a razão teria sido a violação do toque de recolher nas ruas de Atlanta. Outros relatos pontuam que o casal teria tentado contornar os policiais, quando foram pedidos para parar. Mas não há uma explicação oficial sobre qual teria sido o objetivo da ação policial.

Continua depois da Publicidade

A repórter posteriormente descobriu que os dois jovens agredidos no carro eram estudantes do Spelman College e do Morehouse College – instituições historicamente voltadas para mulheres negras, e para homens negros, respectivamente.

POLICIAIS DEMITIDOS

De acordo com o The New York Post, neste domingo (31), dois policiais foram demitidos e outros três foram impossibilitados de trabalhar nas ruas, após o uso de força excessiva na ocasião. Durante uma coletiva de imprensa, a prefeita de Atlanta, Keisha Lance Bottoms, e a chefe da polícia, Erika Shields, anunciaram a decisão após revisarem o material em vídeo da cena.

Continua depois da Publicidade

“O uso de força excessiva nunca é aceitável”, declarou Bottoms durante a coletiva. A prefeita também classificou as cenas como “realmente chocantes de se assistir”. A chefe da polícia explicou ter tentado entender a situação. “Eu realmente queria acreditar que a gravação da câmera dos policiais daria uma visão ampla que pudesse racionalizar por que chegamos a esse ponto”, afirmou Shields.

A chefe da polícia de Atlanta acreditou que encontraria mais respostas ao analisar as imagens dos policiais. Entretanto, não chegou a lugar algum e penalizou alguns envolvidos na repressão. (Fotos: Reprodução/Instagram)

Entretanto, Erika não conseguiu chegar a nenhuma explicação. Portanto, só coube a ela tomar a decisão final. “Passando boa parte desta tarde com a prefeita, assistindo exaustivamente às filmagens, eu soube que eu só tinha uma opção, que era despedir os funcionários”, completou a oficial.

No sábado, após a abordagem, os dois jovens negros foram levados pelos policiais. Inicialmente, o rapaz chegou até mesmo a ser detido. Contudo, segundo o TMZ, a prefeita explicou que os estudantes não enfrentarão nenhuma acusação. Ela ainda pediu ao departamento de polícia de Atlanta que abandonasse o caso completamente.