Fotojet (32)

Após pressão de patrocinadores, Maurício Souza é afastado do Minas Tênis Clube por posts homofóbicos e transfóbicos; entenda o caso

Após pressão de duas grandes empresas patrocinadoras, o Minas Tênis Clube decidiu, nesta terça-feira (26), que afastará o jogador de vôlei Maurício Souza. O atleta, já conhecido por manifestar publicamente seu apoio ao governo de Jair Bolsonaro, nas últimas semanas compartilhou posts nas redes sociais com discursos homofóbicos e transfóbicos, o que causou revolta nos torcedores. Desde então, eles cobravam um posicionamento do clube à altura do comportamento do esportista, que só veio agora.

São inúmeros os posts controversos de Maurício Souza no Instagram. Porém, mais recentemente duas publicações em especial tiveram grande repercussão. A primeira delas foi uma crítica ao anúncio da DC Comics sobre o atual Super-Homem se descobrir bissexual nas próximas edições dos quadrinhos. “É só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar…”, disse. Posteriormente, postou a foto de uma jogadora de basquete transexual e disse: “Se você achar algum homem nessa foto você é preconceituoso, transfóbico e homofóbico. Mais uma conquista do feminismo para as mulheres!”.

Os dois compartilhamentos aconteceram semanas atrás. Desde então, o Minas Tênis Clube, em que Maurício joga atualmente, foi cobrado para se posicionar. Ontem (25), o clube compartilhou um primeiro comunicado. “Todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais. O Clube é apartidário, apolítico e preocupa-se com a inclusão, diversidade e demais causas sociais. Não aceitamos manifestações homofóbicas, racistas ou qualquer manifestação que fira a lei. A agremiação salienta que as opiniões do jogador não representam as crenças da instituição sócio-desportiva. O Minas Tênis Clube pondera que já conversou com o atleta e tem o orientado internamente sobre o assunto”, declarou.

Continua depois da Publicidade

Conforme o caso ganhava repercussão, as pessoas demonstraram uma grande insatisfação com o texto do time mineiro, principalmente por não ter explicado a falta de punição contra Souza, sendo que eles afirmaram serem contra as manifestações homofóbicas. De certa forma, o posicionamento pareceu incoerente, já que se mostrava isento de responsabilidade a respeito do que o atleta tem dito na web. Vale lembrar que discriminar ou ofender alguém por conta de sua orientação sexual ou gênero é crime, sendo assim, ultrapassa os limites da liberdade de expressão.

Pressão das empresas

Com a falta de uma atitude mais severa do Minas Tênis Clube, as pessoas passaram a cobrar um posicionamento das empresas patrocinadoras, a Fiat e Gerdau. “Em relação às recentes declarações do jogador Maurício Souza, da equipe de vôlei Fiat/Minas/Gerdau, a Fiat declara repúdio a toda e qualquer expressão de cunho homofóbico, considerando inaceitáveis as manifestações movidas por preconceito, ímpeto desrespeitoso ou excludente (…). A Fiat repudia qualquer tipo de declaração que promova ódio, exclusão ou diminuição da pessoa humana e espera que a instituição tome as medidas cabíveis e necessárias no espaço mais curto de tempo possível”, pressionou a companhia.

“A Gerdau repudia qualquer tipo de manifestação de cunho preconceituoso ou homofóbico. Sobre as declarações recentes do atleta Maurício Souza, jogador do Fiat/Gerdau/Minas, a empresa já pediu a posição oficial do clube sobre as tratativas necessárias ao caso para adotar as medidas cabíveis, o mais breve possível”, manifestou a empresa fornecedora de aço.

Continua depois da Publicidade

Nova decisão

Algumas horas depois da divulgação dos posts da Fiat e da Gerdau, o Minas Tênis Clube tomou a decisão de afastar Maurício Souza do time masculino de vôlei. “O presidente do Minas Tênis Clube, Ricardo Vieira Santiago, se reuniu com o atleta Maurício Souza esta tarde e lhe informou sobre o seu afastamento por tempo indeterminado do Fiat/Gerdau/Minas. O atleta também recebeu uma multa e foi orientado a fazer uma retratação pública imediata”, começou o texto, divulgado no Instagram oficial do time.

“O Minas Tênis Clube reforça que não aceita e não aceitará manifestações intolerantes de qualquer forma e que intensificará campanhas internas em prol da diversidade, respeito e união, por serem causas importantes e alinhadas com os valores institucionais”, finalizou.

Retratação Maurício Souza

Segundo o UOL, ainda nesta terça-feira, um perfil no Twitter atribuído a Maurício Souza divulgou um pedido de desculpas. “Olá, pessoal, tudo bem? Após conversar com minha família, colegas de equipe e com a presidência do clube, sobre as publicações feitas no meu perfil, venho a público pedir desculpas se minha opinião tenha ofendido ou machucado alguém ou alguma comunidade. Não foi minha intenção!”, começou o esportista, sem entrar em detalhes a respeito do que aconteceu no Instagram.

Continua depois da Publicidade

Na sequência, Maurício publicou um post semelhante ao primeiro. “Após conversar com meus familiares, colegas e diretoria do Clube, pensei muito sobre as últimas publicações que eu fiz no meu perfil. Estou vindo a público pedir desculpas a todos a quem desrespeitei ou ofendi, esta não foi minha intenção. Tenho refletido muito e reitero minhas desculpas pelo posicionamento”, encerrou. No entanto, no próprio Instagram, onde Maurício fez as postagens para seus 251 mil seguidores, o atleta permaneceu calado. Na conta em que publicou as mensagens no Twitter, ele tem apenas 110 seguidores.

Bastidores do Minas Tênis Clube

De acordo com Demétrio Vecchioli, da coluna “Olhar Olímpico” no UOL, uma reunião foi realizada para determinar o que seria feito com o jogador. Os dirigentes teriam discutido se os compartilhamentos de Souza realmente feriam a legislação contra a homofobia, ou se ele estava apenas exercendo sua liberdade expressão. O post sobre o Super-Homem, por exemplo, estaria sendo debatido internamente desde a publicação, no dia 12 de outubro. A diretoria não teria conseguido concluir se era apenas um conteúdo “reprovável” ou se configurava em crime.

Vecchioli relatou ainda que os bastidores no Minas Tênis Clube estavam tensos. A princípio, foi divulgado que William Arjona, levantador e capitão do time, teria apresentado à diretoria uma carta em que todo o elenco defendia o direito à “liberdade de expressão” de Maurício Souza e dizia que, se o central fosse demitido, eles não continuariam no time.

Continua depois da Publicidade

Porém, quando a história veio a público, o jogador Maique Reis se manifestou no Twitter, alegando que não assinou a carta. “Eu não assinei nada! E isso não me inclui. E continuo lutando pelos meus direitos e de nossa comunidade e de todo e qualquer tipo de preconceito. Isso que estão espalhando de eu apoiar algo é fake. E claro, tem coisas que não compactuo e não aceito. E isso quem deve resolver é o clube e não diz respeito a mim! E já deixei claro minha posição sobre. Agora eles que se entendam”, falou. O próprio William Arjona também negou à coluna posteriormente que escreveu a carta.

O GE, da Globo, apurou que o clube cogitou rescindir o contrato de Maurício Souza, já que não teria mais clima para ele continuar atuando ao lado dos outros jogadores. O site também adiantou que o atleta seria multado pelo time e já teria demonstrado o interesse em se retratar. O Minas Tênis Clube teria colocado como condição ainda perante aos patrocinadores que nenhum outro comentário discriminatório será tolerado. A Confederação Brasileira de Vôlei também enviou um breve comentário: “A CBV preza pela inclusão e igualdade, e repudia toda forma de violência, preconceito ou desrespeito”.

Reações

Douglas Souza, que disputou a última Olimpíada ao lado de Maurício Souza e já declarou publicamente sua homossexualidade, fez questão de se manifestar no Instagram, agradecendo a iniciativa da Fiat em cobrar o Minas Tênis Clube. “Homofobia não é liberdade de expressão ou opinião. Esperamos mais novidades. O famoso ‘vai dar em nada’, né? Toda vez a mesma coisa, cansado disso de sempre ter falas criminosas e no máximo o que rola é uma ‘multa’ e uma retratação nas redes sociais. Até quando?”, indagou.

“Feliz pelas empresas se juntando contra e triste por atletas tentarem passar pano nisso. Vergonhoso. Todos os dias, todas as horas, um dos nossos morrem. E o que temos? Uma retratação”, criticou. Nos stories, Douglas reforçou o agradecimento. “Isso é muito importante pra gente. Não dá para em pleno 2021 as pessoas acharem que liberdade de expressão é você ser homofóbico”, acrescentou.

Continua depois da Publicidade

Carol Gattaz, que joga no time feminino do Minas Tênis Clube, também se manifestou. “Homofobia é crime. Racismo é crime. Respeito é obrigatório. Está na lei, garantido por Constituição. Já toleramos desrespeito, gracinhas e preconceitos disfarçados de opinião por muito tempo. Chega!”, postou. “Homofobia é crime!”, escreveu Sheilla Castro.

No Twitter, os internautas celebraram o afastamento de Maurício Souza. “Homofobia é crime, Maurício Souza. Espero que você seja punido de acordo com a lei, mas eu duvido muito que não vá se esconder atrás do presidente que tanto defende”, comentou Mary Moura Arruda. “Espero que não seja mais convocado pra seleção de vôlei”, torceu outra mulher. “Maurício Souza já devia ter sido jogado no esquecimento a tempos mas ninguém nunca deu visibilidade pra nada no vôlei, por que dariam pras m*rdas dele, né?!”, refletiu outra usuária da rede social.