Filho da rainha Elizabeth, príncipe Andrew é acusado na Justiça de fazer “orgia com menores” — saiba detalhes!

Eita! Nesta sexta-feira (31), o The Mirror revelou que o príncipe Andrew – filho da rainha Elizabeth II – foi acusado na Justiça de ter feito “orgia com menores”. As informações foram obtidas em documentos de um processo, que indicam a ligação do nome do royal ao bilionário Jeffrey Epstein, responsável por um grande esquema de exploração sexual.

De acordo com os documentos, Andrew foi acusado de ser o “indivíduo poderoso” com quem a “escrava sexual” de Jeffrey Epstein, Virginia Giuffre, foi obrigada a se relacionar – em 2001, quando ainda tinha 17 anos. O processo aponta ainda que o duque de York teria tido “uma orgia com várias outras garotas menores de idade”. Além disso, o príncipe também teria “pressionado o governo dos EUA a conceder um acordo judicial” a Epstein, quando este foi acusado de recrutar menores para prostituição, no ano de 2007.

Príncipe Andrew teria pressionado os EUA para ceder um acordo judicial a Jeffrey Epstein. (Foto: Getty)

Numa das ações, divulgada hoje (31) por um juiz de Nova York, Virginia também teve de responder – sob juramento – o que Andrew sabia sobre Epstein. Então, ela afirmou: “Ele saberia muitas verdades”. Até o momento, o duque não prestou esclarecimentos sobre essa ligação com Jeffrey – que se suicidou em 2019, quando estava preso –, nem conversou com o FBI sobre o caso.

Entretanto, Spencer Kuvin, advogado que defende as mulheres abusadas por Epstein há 10 anos, também sugeriu que o membro da nobreza britânica deveria revelar logo tudo o que sabe. “O príncipe Andrew tem muito a responder, dadas essas novas revelações, e continuamos a pedir para que dê um passo à frente, seja homem e fale a verdade sobre o que ele sabe”, disse ele ao “The Mirror”.

Nesse registro antigo, o príncipe Andrew aparece ao lado de Virginia Giuffre, quando ela ainda era menor de idade e foi “escrava sexual” de Jeffrey Epstein. (Foto: Reprodução/Metro)

“Se esconder atrás da monarquia é covarde e muito abaixo de sua posição, e ele francamente se tornou uma vergonha para a família real”, completou Kuvin sobre Andrew. A expectativa do advogado é que, em algum momento, consigam fazer Justiça nesse caso. “É nossa esperança que toda a extensão do esquema ilícito da pirâmide sexuais de Epstein continue a ser desvendada”, declarou.

De acordo com a publicação, uma porta-voz de Andrew negou-se a comentar sobre o caso. No entanto, um amigo do príncipe saiu em defesa dele. “A Corte do Tribunal de Apelação disse em 2019, que essas alegações devem ser tratadas com ‘extremo cuidado’. Alegações não são as mesmas coisas de fatos. Onde estão as provas?”, questionou, abordando na sequência as alegações de que o royal teria pressionado o governo dos EUA para ajudarem Epstein.

“A afirmação sobre o príncipe ter feito um lobby pra um acordo judicial foi uma ‘mentira direta’. Sem nenhuma dúvida. A alegação faz parte de uma moção por advogados de acusadoras numa tentativa de provar que Epstein ‘usou suas significativas conexões políticas e sociais para pressionar o departamento de justiça a obter um acordo mais favorável'”, completou.

Príncipe Andrew é um dos filhos da rainha Elizabeth II. (Foto: Getty)

Apesar de ter até mesmo uma foto ao lado de Virginia Giuffre, em novembro do ano passado, em entrevista ao “BBC Newsnight”, o príncipe Andrew tentou se defender e disse não se lembrar de ter se encontrado com ela. Porém, essa história parece estar longe de um fim…