Fotojet (50)

Atriz britânica morre um dia após descobrir câncer, e investigação apura erro médico no caso: “Não fez a coisa mais básica”

Apesar dos graves sintomas, a jovem Porsche McGregor-Sims foi medicada para problemas hormonais

A morte da modelo e atriz britânica Porsche McGregor-Sims no ano passado causou comoção e revolta. Um dia após descobrir que tinha câncer de colo de útero, a jovem veio a óbito aos 27 anos de idade. Acontece que, meses antes, ela procurou atendimento médico por conta dos sintomas e recebeu um tratamento para distúrbio hormonal. Agora, a família da jovem pede por justiça, e o caso pode ser investigado como uma grande falha no sistema de saúde da Inglaterra.

De acordo com o New York Post, em dezembro de 2019, Porsche relatou pela primeira vez uma dor abdominal incomum e sangramento ao médico que a atendeu no hospital. Ela foi encaminhada a um ginecologista um mês depois. O médico, Peter Schlesinger, inicialmente não viu que ela tinha uma forma agressiva de câncer cervical, e considerou que exames adicionais “não trariam benefícios” para sua idade.

Naquela época, a atriz tinha parado de tomar injeções anticoncepcionais regulares, o que eles presumiram ser um choque “hormonal” em seu sistema. Com isso, McGregor-Sims foi medicada para lidar com esse quadro de saúde. Em março de 2020, ela sentiu falta de ar e procurou atendimento médico, mas mais uma vez recebeu uma lista de antibióticos para tomar. A situação piorou, a jovem precisou ser hospitalizada, a princípio sob suspeita de ter contraído Covid-19. Um exame mais detalhado identificou o câncer, mas já era tarde demais; no dia seguinte Porsche morreu.

Continua depois da Publicidade

Agora, o caso tem sido investigado para averiguar se realmente houve negligência por parte dos profissionais que atenderam a artista, especialmente o ginecologista Peter Schlesinger. Em depoimento, ele alegou que o quadro de Porsche parecia de “baixo risco”, e que a situação poderia ter sido outra, caso ela tivesse ido na consulta com algum acompanhante que pudesse assegurar sua integridade física durante exames mais invasivos.

7f07b826569e3cc5767d76d9b09b2f8f
Porsche sofreu durante meses com sintomas, acreditando ser um problema hormonal. Foto: Reprodução

“Se alguém estivesse na sala comigo, provavelmente teria feito [mais exames]. Mas estamos todos aqui hoje com o benefício de uma retrospectiva”, começou. “Achei que havia uma série de causas potenciais para a dor dela. Considerando o fato de que ela havia parado de usar o método anticoncepcional, sugeri que ela o tomasse novamente para ver se a dor parava”, explicou em seguida, acrescentando que um exame de Papanicolau, feito por Porsche em 2017, não apresentava nenhuma anormalidade. Peter afirmou que está “muito triste” e pediu desculpas para a família.

Continua depois da Publicidade

As falas do profissional desagradaram muito Fiona Hawke, mãe de Porsche. “Você não fez a coisa mais básica — fazer um exame interno nela… Uma das maneiras mais simples e fundamentais de avaliar alguém para o câncer de colo do útero”, disse em comunicado. A matriarca também homenageou a filha. “O número de pessoas que ela impactou em sua curta vida é o principal reflexo de quem ela foi. Ela via apenas o melhor em tudo e todos. Ela foi uma pessoa adorável e perdê-la foi como se o sol tivesse apagado. É assustador pensar que alguém com tanta energia pode desaparecer da noite para o dia”, afirmou.