Ex-BBB Alan recorda racismo que sofreu da mídia e do público durante namoro com Grazi Massafera: “Era como se eu não devesse estar ali”; assista!

O longínquo “BBB 5” segue vivo em nossas memórias! Nesta quarta-feira (15), o ex-BBB e ex-deputado federal Jean Wyllys convidou seu colega de confinamento Alan Passos para uma live no Instagram. No bate-papo, os dois recordaram como ele foi vítima de racismo durante seu relacionamento com Grazi Massafera – que começou dentro da casa mais vigiada do país.

Jean iniciou relembrando a época, quando a fama de Grazi foi aumentando gradativamente, junto das represálias ao então namorado. “O casal encantou o Brasil, e eu acompanhei vocês. Uma coisa que eu notava é que à medida que Grazi foi ganhando mais prestígio e poder, com fruto do trabalho e do talento dela, que ela é maravilhosa, havia uma pressão da imprensa de celebridade com você. A maneira como tratavam você quando você estava com ela era racista, ofensiva”, mencionou Wyllys.

Grazi Massafera e Alan Passos ficaram juntos por 2 anos. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Alan, então, confessou ter sentido na pele esse preconceito. “Eu compreendo perfeitamente, compreendo o mundo diferente de 15 anos atrás, mas já nesse momento, eu já conseguia perceber isso. Eu percebia um movimento de sempre destruir, de romper aquilo, era como se eu estivesse ocupando um lugar que não deveria estar, principalmente por eu não ser o estereótipo ideal do imaginário público naquele momento”, disse ele.

Na sequência, Alan recordou algumas das manchetes que surgiram nos dois anos de namoro com Grazi. “‘Grazi Massafera saiu escoltada por Alan’. ‘Alan estava lá fazendo a segurança’ Era sempre assim, como se esse cara não deveria estar ali”, recordou o mineiro.

A mídia teve uma postura racista na época do relacionamento de Grazi Massafera e Alan, desde o “BBB 5”. (Foto: Reprodução/TV Globo)

“Tenho certeza que não era só um movimento contra o Alan, pelo fato dele ser negro e fugir do estereótipo que a mídia tinha por pessoas bonitas, galãs… Mas existe todo um movimento econômico, de interesses, emissoras, empresários. Isso sempre existiu e eu sempre senti isso”, completou ele, revivendo julgamentos de parte da mídia e do público na época – que, de certa forma, pareciam querer destruir o relacionamento.

“Esse movimento sempre existiu, e tenho certeza que grande parte disso por eu ser um cara que não deveria estar ocupando aquele posto de ser namorado da namoradinha no Brasil, que representava todo esse encanto, uma pessoa de família humilde que alcançou o estrelato, e que eu não deveria estar ali, que aquele posto deveria ser ocupado por uma pessoa que talvez representasse mais o que é belo, interessante e economicamente melhor”, avaliou ele.

Na live, os dois seguiram observando como o racismo era escancarado contra Alan. “A escolha das palavras, nada disso era inocente. Lembro que na época alguém postou algo associando seu cabelo a uma esponja de aço”, mencionou Jean, trazendo à tona as ofensas de quando chamavam o engenheiro de “Aço-Alan”.

Alan Passos lamentou a cobertura da mídia no início dos anos 2000, quando deixou o “BBB 5”. Foto: (Reprodução/Instagram)

“Aquilo era algo que eu não gostaria de ver… Não ganhava a proporção que ganha hoje, em que a Ludmilla vai receber uma indenização merecida, por ter sido ofendida dessa forma. Mas aquilo já era uma ofensa”, lamentou Alan, que também comemorou os avanços da luta contra o racismo, e resposta às injúrias raciais. Confira a íntegra aqui [bate-papo sobre o namoro a partir de 16:05]:

View this post on Instagram

@alan_passos

A post shared by Jean Wyllys (@jeanwyllys_real) on