Fotojet (8)

Tomás Covas desmente rumores e relembra últimos momentos com o pai, o ex-prefeito Bruno Covas, em entrevista emocionante: “Sensação de que ele esperou eu aceitar”; assista

Poucos dias após o triste falecimento do ex-prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), o filho do político, Tomás, sentou com a equipe do Fantástico para uma entrevista, que foi ao ar neste domingo (23). Durante a conversa, o jovem de apenas 15 anos compartilhou sua visão dos últimos momentos ao lado do pai e ainda fez questão de desmentir rumores que circularam na mídia, dizendo que Bruno andava frágil, abalado e chorando muito em frente aos médicos durante sua última semana de vida.

“Era completamente ao contrário, o clima do hospital. Ele foi muito guerreiro. Batalhou muito. Ele sempre com coragem de enfrentar a doença. A gente sentia a vontade que ele tinha [de vencer a doença]. O sorriso no rosto no dia a dia”, relatou o jovem. “Só vi meu pai chorar uma única vez. Estava só eu e ele no quarto. Foi quando teve que se licenciar [da prefeitura], porque o câncer avançou para os ossos. Eu falei que ia dar certo, que a gente ia vencer”, declarou.

Continua depois da Publicidade

Bruno Covas perdeu a vida aos 41 anos após complicações de um tumor na transição entre o esôfago e o estômago, região conhecida como a cárdia. O político estava em tratamento contra a doença há cerca de dois anos, mas infelizmente não resistiu e faleceu às 8h20 do dia 16 de maio, acompanhado pelo filho e pela ex-mulher, Karen Ichiba. Ele estava internado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Ao dominical da TV Globo, Tomás comentou como se sentiu na manhã em que o pai partiu. “Tive a sensação de que ele esperou eu aceitar, conversar com ele sobre isso, para ele ir tranquilo. A gente ficou do lado dele, abraçou ele e falou para ele descansar”, confessou. O filho de Covas revelou, ainda, detalhes da última conversa que teve com o pai, que segundo ele, nunca nem pensou ou tentou se despedir. “Fui a última pessoa que conversou com ele consciente. Não fazia a menor ideia de que seria a última conversa. Foi breve. [Ele disse] ‘Boa sorte na prova'”, comentou.

Continua depois da Publicidade

Infelizmente, após o momento descontraído com o filho, Covas apresentou uma piora significativa em seu quadro de saúde e precisou ser sedado. Ver o pai naquela situação chocou Tomás. “No dia seguinte, quando vi ele sedado, foi muito forte, fiquei muito mal. Depois de uma hora tentei ficar mais tranquilo. Voltei e fiquei 100% do tempo ao lado dele”, disse.

No papo com o Fantástico, o filho do político também relembrou um dos dias mais marcantes que teve ao lado de Bruno. Pai e filho, que compartilhavam uma paixão pelo time de futebol Santos, foram ao estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, para assistir a um jogo em dezembro do ano passado, mesmo durante a pandemia.

“Cheguei a conversar com o médico dele e ele falou que não foi por acaso. Ele sabia os riscos da imprensa, etc, mas foi por coração. Ele tinha esse desejo de me levar numa final de Libertadores”, contou Tomás. Quando questionado se lembrava da conversa que teve com o pai durante o jogo, Tomás revelou: “Ele falou que queria me deixar realizado. E deixou”.