Diana Capa

Chefe dos bombeiros relembra socorro a Lady Di em acidente fatal, e revela últimas palavras da princesa

Meu deus, o que está acontecendo?“. Essas teriam sido as últimas palavras da Princesa Diana após seu terrível acidente de carro no túnel Alma, em Paris, na França, em 1997. No dia 31 de agosto daquele ano, ela e namorado eram seguidos por fotógrafos, e ao tentarem fugir, o motorista bateu o veículo contra uma pilastra. O trágico evento é um dos mais marcantes da história da família real britânica.

Muito ainda se fala sobre o ocorrido, e nesta terça-feira (22), o jornal Daily Mail publicou o relato do chefe dos bombeiros da época, Xavier Gourmelon. Ele foi um dos primeiros a chegar ao local, quando várias equipes foram chamadas para ajudar no socorro das vítimas. Xavier começou explicando que não tinha ideia dos envolvidos. O bombeiro só foi saber se tratar da Princesa do Povo, quando ela foi levada de ambulância para o hospital, em que não resistiu.

Continua depois da Publicidade

Ele percebeu que aquele era um grave acidente, pela quantidade de médicos e socorristas no local. Outra parte que chamou a atenção do francês foi o segurança de Lady Di, Trevor Rees-Jones, que já tinha sido resgatado, muito agitado. “Ele estava se debatendo, tentava se mexer e resmungava em inglês. Eu não conseguia entender, mas pedi para uma equipe médica ficar de olho nele”, completou.

Em seguida, foi retirado o corpo do namorado da aristocrata, o empresário Dodi Al-Fayed, que morreu na hora do impacto, junto com o motorista, Henri Paul. Os esforços eram focados em tirar a princesa do carro. “Ela falou em inglês: ‘Meu Deus, o que está acontecendo?’. Eu consegui entender isso, então comecei a acalmá-la, segurei sua mão. Então, vieram colocá-la na ambulância. Isso tudo aconteceu rápido, entre dois a três minutos”, relatou.

A Princesa Diana faria 60 anos este ano (Foto: Christopher Peterson / SplashNews.com)

Xavier acrescentou que fisicamente, não viu nada de errado com Diana, apenas um grave ferimento no ombro, mas que tanto a respiração como o pulso dela estavam “firmes e fortes”, e que realmente, à primeira vista, parecia que a princesa ficaria bem. “Mas, você não pode presumir que a pessoa está bem sem examiná-la mais a fundo”, lamentou ele.

Se ainda estivesse viva, Lady Di completaria 60 anos, em 1º de julho. Por conta da data, os seus filhos, os príncipes William e Harry, prestarão uma homenagem para a mãe, com uma estátua dela no jardim do Palácio de Kensington.

Continua depois da Publicidade

William e Harry falam sobre a morte da mãe 

Em maio deste ano, tanto Harry, como William falaram sobre como a morte da mãe alterou o curso de suas vidas. Na série documental “The Me You Can’t See”, o Duque de Sussex comenta que só entendeu o impacto anos depois, quando estava lidando com os traumas na terapia, pois isso estava atrapalhando seu relacionamento com Meghan Markle.

Esse foi o começo da minha jornada de aprendizado. Compreendi estar vivendo em uma bolha com a minha família. Eu estava praticamente preso dentro de uma forma de pensar e de uma mentalidade“, pontuou o neto da Rainha Elizabeth II. Foi durante o tratamento que o príncipe entendeu que nunca havia realmente processado o falecimento de Diana. “Rapidamente, eu estabeleci que, para o nosso relacionamento dar certo, eu teria que lidar com o meu passado, porque tinha muita raiva ali. E não era raiva da minha esposa. Era apenas raiva [do que levou à morte da minha mãe], e ela entendeu isso“, pontuou.

Continua depois da Publicidade

Já William, coincidentemente ou não, também dividiu como foi enfrentar a partida precoce e trágica da matriarca durante um discurso na Assembleia Geral da Igreja da Escócia. “Eu estava em Balmoral quando me disseram que minha mãe havia morrido. Ainda em estado de choque, encontrei refúgio no culto em Crathie Kirk naquela mesma manhã. E nos dias sombrios de tristeza que se seguiram, encontrei conforto e consolo ao ar livre escocês. Como resultado, a conexão que sinto com a Escócia será profunda para sempre”, declarou.

Felizmente, dias melhores chegaram para William. “E, no entanto, ao lado desta dolorosa lembrança, existe uma de grande alegria. Porque foi aqui na Escócia, há 20 anos, que conheci Catherine”, contou William, citando o nome de batismo da esposa, Kate Middleton“Nem é preciso dizer que a cidade onde você encontra sua futura esposa ocupa um lugar muito especial em seu coração”, brincou o duque de Cambridge.