Homem de 41 anos é morto por moradores do bairro, após ser apontado como principal suspeito pelo desaparecimento de jovem, no “Cidade Alerta”; RecordTV se manifesta

Um homem investigado pelo desaparecimento e morte de uma jovem de 18 anos foi assassinado nessa segunda-feira (13), após ser apontado como principal suspeito do caso no “Cidade Alerta”, da Record. Segundo o G1, uma denúncia anônima feita à Polícia Militar informou que um grupo de pessoas entrou na casa de Alecio Ferreira Dias, de 41 anos, e o levou para um matagal no Jardim Santa Cruz, em Salto (SP), onde foi executado com pelo menos 7 tiros.

Em um boletim de ocorrência, o filho da vítima contou que após a exibição da reportagem no noticiário, “alguns moradores daquela comunidade, bem como outros desconhecidos, estiveram em sua casa e chamaram seu pai para conversar”. Na sequência, Alecio foi levado para um “local desconhecido”. Ainda segundo o relato, os próprios autores do crime teriam divulgado fotos de corpo da vítima nas redes sociais.

Continua depois da Publicidade

Horas antes, imagens censurando o rosto de Ferreira Dias foram exibidas durante o programa da Record, que tratava do assassinato da jovem Priscila Martins. O apresentador Luiz Bacci informou que a polícia já tinha um suspeito pelo crime, mas que ainda não o havia detido.

“Ainda não temos autorização para mostrar [as fotos] sem esse borrão. Mas quem conhece esse homem já passa informações para a polícia. Quem é amigo desse homem, sabe quem é. Por favor, não façam justiça com as próprias mãos. Até porque ele é investigado. Sabe alguma coisa dele? Sabe onde mora? Não tome você alguma medida já procurando ele direto. Não se arrisque. Conte para a polícia de São Paulo”, declarou o jornalista. Confira o trecho a partir de 9’49”:

Questionada pela coluna de Mauricio Stycer, do UOL, sobre a razão de o “Cidade Alerta” ter divulgado a imagem do suspeito sabendo que ele poderia ser reconhecido, a Record disse que “entre amigos, familiares, testemunhas e moradores da região de Salto, todos já sabiam quem era”.

Confira a nota da emissora na íntegra:

“O ‘Cidade Alerta’ tinha as informações sobre o nome e a foto do suspeito. Entre amigos, familiares, testemunhas e moradores da região de Salto, todos já sabiam quem era. Inclusive a investigação aponta que a pessoa era conhecida de Priscila Martins, que foi encontrada morta depois de ser torturada e o corpo queimado. O mesmo suspeito é apontado como envolvido em outros crimes. Diante da revolta que a informação causou na região, o ‘Cidade Alerta’ decidiu não identificar o suspeito e fez um apelo para quem soubesse o paradeiro do investigado que informasse a polícia e que ninguém tentasse fazer justiça com as próprias mãos”, informou o comunicado.

A Investigação

O corpo de Alecio foi encontrado na rua Álvares Maciel. Conforme o registro policial, ao menos sete tiros foram ouvidos por pessoas que moram na região. A perícia identificou perfurações no rosto, tórax e perna da vítima. O suspeito foi morto antes mesmo de prestar depoimento na delegacia em Salto.

Ferreira Dias era investigado pelo desaparecimento de Priscila Martins, jovem que saiu de casa no dia 6 de julho, sem celular, e nunca mais retornou. Dois dias mais tarde, um corpo foi encontrado carbonizado na área rural do bairro Guarujá, em Salto, assim como pertences e roupas muito similares com as usadas por Priscila no dia de seu desaparecimento.

Roupas e um chinelo destruído foram encontrados ao lado do corpo de uma jovem na zona rural de Salto (SP). (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A mãe de Priscila fará um exame de DNA, que será confrontado com o colhido no corpo, no Instituto Médico Legal (IML). A vítima foi encontrada em uma fazenda e este é o segundo corpo achado no local, que fica próximo a uma torre de alta tensão. O caso continua sob investigação.