Marido de Thelma toma providências em resposta a declarações racistas de Rodrigo Branco, diretor de TV: ‘Isso não será esquecido’; Confira a íntegra do caso

A família de Thelma Assis já toma providências frente às declarações de cunho racista de Rodrigo Branco, empresário e diretor de TV. Em uma recente transmissão ao vivo no Instagram, ele afirmou que a grande torcida da sister no BBB20, bem como o posto de Maju Coutinho, como âncora do Jornal Hoje, seriam resultado do fato de ambas serem negras. “Torcer pela Thelma é racismo. Todo mundo está votando nela porque ela é negra, coitada“, disparou.

Em conversa com o hugogloss.com, Denis Santos, marido de Thelma prometeu que o caso não terminará sem uma resposta na justiça. “Sim, claro que pensamos. Na verdade, já estamos tomando as providências para processá-lo. A advogada já está analisando o caso. Isso não será esquecido“, garantiu o fotógrafo. Questionado sobre como receberam as palavras de Branco, ele se disse exausto.

A gente já tá de saco cheio já. É um racismo que é foda, com o perdão da palavra. É mais um. É mais um que comete racismo. Repercutiu bastante porque foram palavras duras e aconteceu numa live de uma pessoa conhecida, e ele também é uma pessoa conhecida. Então impacta mais. Mas todos os dias, a equipe denuncia duas ou três pessoas nas redes com posts racistas sobre a Thelma. São publicações bem pesadas. E a Thelma sempre recebeu esse racismo velado. É sempre assim, tô de saco cheio“, comentou.

Thelma e Denis se conheceram em 2009 e são casados desde 2016 (Foto: Reprodução / Instagram)

A equipe de Thelma endossou a iniciativa, sem citar nomes. “A respeito do conteúdo de uma live, feita ontem, amplamente divulgada nas redes sociais e meios de comunicação, estamos adotando as providências cabíveis na defesa dos interesses da Thelma e da população negra brasileira“, informou a conta da médica anestesiologista no Instagram.

Procurado pelo hugogloss.com, Rodrigo Branco disse estar ciente das chances de um processo judicial. “Errei e assumo todas as consequências que me cabem“, declarou. “Não sou racista. O que quis dizer é que o fato de ser negro não encurta caminhos. Ser branco também não deveria encurtar. Há pessoas competentes em todos os lados. Não gosto da Thelma como jogadora. Não é por ser negra. Só não gosto. O mesmo se aplica à Maju. Sei que é uma pessoa maravilhosa, mas não gosto como apresentadora. Fui infeliz na forma como disse e agora tenho que assumir as consequências“, pontuou o ex-diretor da Band, mudando o discurso que causou revolta.

Após a repercussão negativa, Branco chegou a desabilitar as redes sociais. “Tô usando esse tempo para refletir, conversando com amigos, debatendo meu erro para evoluir, que é o que todos devemos fazer“, afirmou.

Rodrigo Branco trabalhou por 12 anos na Band, dirigindo programas de Luiz Bacci, Márcia Goldschmidt e Adriane Galisteu (Foto: Reprodução / Instagram)

A jornalista Maria Júlia Coutinho também foi contatada pelo hugogloss.com para falar sobre o caso. Em meio aos trabalhos na redação do telejornal da TV Globo, disse que conversaria mais tarde com o site. Seu posicionamento será aqui publicado, assim que obtido.

Confira a íntegra do caso

Na noite da última segunda-feira (30), durante uma live no Instagram com a DJ e influenciadora Jude Paulla, Rodrigo Branco afirmou que Thelma Assis, do BBB20, e a jornalista Maria Júlia Coutinho, do Jornal Hoje, só teriam conquistado relevância por serem negras. O ex-diretor de TV opinava sobre o reality global, quando Jude disse torcer para a médica anestesiologista. Branco se revoltou.

Não, gente, a Thelma nem pensar. Posso falar uma coisa? Torcer pela Thelma é racismo“, disparou ele. “Quê?“, se espantou a influencer, sem entender. “Você vai ser muito criticado, tá?“, avisou Jude. “Seguinte, todo mundo está votando nela porque ela é negra, coitada“, prosseguiu o empresário. “Claro que não, garoto. Ela é maravilhosa. Você não assiste [ao] Big Brother“, discordou a DJ.

Por exemplo, é a mesma coisa que eu falo da Maju Coutinho. Ela é péssima, ela é horrível. Ela fala tudo errado, eu [a] assisti hoje, ela só tá lá por causa da cor“, apontou o atual guia turístico de famosos, ao que Jude tampava a boca, completamente chocada. “Qual foi a carreira dela? A carreira dela foi ser xingada. Aquele negócio de ‘Todos Por Maju’, ‘Somos Todos Maju’, ela nunca foi uma repórter de campo, ela fala tudo errado“, desdenhou ele, demonstrando nenhum conhecimento sobre a trajetória profissional da jornalista, desde 2005 na televisão.

Eu, como diretor de TV maravilhoso, vou te falar. Ela lê o TP (teleprompter) errado“, criticou Rodrigo, que por 12 anos trabalhou na Band. Assista:

O vídeo, claro, causou revolta nas redes sociais. As declarações racistas de Branco foram prontamente repudiadas na web, e ele, diante da repercussão gravou um pedido de desculpas, na madrugada de terça-feira (31). “Eu sempre falo o que eu penso. Várias vezes, na verdade, eu já falei besteiras. Mas eu mudo de ideia. Ignorante é não mudar de ideia, não ouvir, não conversar. Eu participei de uma live com a Jude Paulla, e falei um monte de merda, não falei nada como eu penso. Eu queria falar uma coisa e falei outra. Fui racista e a gente tem que assumir quando fala merda“, admitiu.

Recebi ligações de amigos meus, e escutei. Primeiro, quero pedir desculpas pra Jude, que tava fazendo uma live para descontrair e eu entrei do nada, falando um monte de abobrinhas. O mais importante é a gente assumir o nosso erro. Peço desculpas a todo mundo. Levei puxão de orelha e falei merda. Não me queiram mal por isso“, encerrou ele. Confira:

Jude Paulla, por sua vez, chegou a chorar ao falar sobre o assunto nos Stories da rede social. “Às vezes, o racismo pega a gente de surpresa, por estar tão próximo da gente, e a gente não saber. E eu, que sou uma pessoa tão cheia de argumentos, fiquei totalmente sem reação. Se eu já tivesse escutado algo do nível de ontem, não teria amizade [entre nós]. Foi um baque, fiquei desacreditada. […] Eu não tenho amigo de estimação racista. Essas pessoas não vão se manter no meu círculo de amizade“, declarou a influencer, que também publicou um texto.

O racismo se apresentou exatamente do jeito que ele faz, sem pedir licença. Eu fiquei sem acreditar no que estava ouvindo. Eu até tentei explicar pro Rodrigo e para os seguidores o quão racista é aquela fala dele, mas fui interrompida algumas vezes. Fiquei muito nervosa e confesso que fiquei sem saber como agir, porque não estava acreditando no que estava acontecendo“, reforçou ela ainda na segunda (30), recebendo apoio de famosas como Maria Rita, Fafá de Belém, MC Rebecca e Nany People.

Jude, eu sinto muito por tudo isso. É o verdadeiro ‘rindo de nervoso’ no começo, tipo ‘não acredito que ouvi uma merda dessa’. Força, amiga. Denunciado“, lamentou a atriz Alice Wegmann. “Sua reação é a reação de muitos de nós quando nos deparamos com o racismo escancarado. A gente primeiro leva um susto até entender que o que está acontecendo é real. Tô contigo. E quanto a ele, as medidas cabíveis serão tomadas“, prometeu Luana Xavier, atriz e apresentadora do GNT.

Mais famosas reagem 

Preta Gil, que tinha Rodrigo como um amigo, há mais de 20 anos, fez um desabafo contundente. “Primeiro de tudo veio o susto e depois a descrença: ‘Não estou acreditando no que estou vendo’. Comecei a chorar de tristeza. Peguei meu telefone e chamei esse amigo no WhatsApp, falei exatamente como estava me sentindo e disse: ‘Não poderei e não quero te defender‘”, relatou no Instagram.

Por isso, estou aqui escrevendo: eu não tolero nem de amigo nem de ninguém essa violência. Racismo é crime, e ignorância histórica intelectual. Hoje em dia, vindo de um homem branco e rico, é inaceitável. […] O que ele fez é muito grave, muito sério, e que ele assuma as consequências dos seus atos. Eu como mulher preta tenho caminhado cada dia mais sobre o processo da luta antirracista, então aprendam de uma vez por todas, não se tolera, nem se relativiza mais essa mazela na nossa sociedade, que já causou tanta dor e sofrimento“, postou a cantora.

View this post on Instagram

PAREM SOMENTE PAREM

A post shared by Preta Gil 🎤 (@pretagil) on

A diva da música, Elza Soares, também se posicionou, destacando o poder dessas duas mulheres incríveis. “Você conhece a Maju Coutinho? Eu conheço. Somos amigas! Maju é uma das maiores jornalistas e comunicadoras que esse Brasil, que o mundo já viu. Sim! Ela é mulher e negra e seu gênero ou cor da sua pele, não ajudaram ou a impediram se ser FODA! Maju venceu por seu talento, como tantas de nós vence diariamente. […] Thelma não venceu por ser coitada. Eu não tive o prazer de conhecê-la ainda, mas com tudo o que vi e li sobre ela dá pra afirmar que venceu porque é FODA, assim como Maju. Thelma é médica, bailarina e continua na batalha por seu maior prêmio. O reconhecimento do esforço que é igual a tantas de nós“, destacou.

Por fim, a voz de “A Mulher do Fim do Mundo” mandou um recado para Branco, evitando, chamá-lo pelo nome. “Sujeito, escute!… Horrível é falar pelos cotovelos e se achar melhor que outra pessoa, seja qual for sua cor ou gênero. Pra mim você faz tão mal a humanidade quanto esse vírus que estamos enfrentando. Guarde suas desculpas de internet pra si mesmo. Vai precisar delas quando se olhar no espelho. O mal que causou não tem volta. Não podemos mais tolerar esse discurso e acharmos que “fica tudo acertado” com um pedido de desculpas“, afirmou.

View this post on Instagram

Gentem, deixa eu falar uma coisa. Ontem, navegando pela internet pra acompanhar as notícias, me deparei com a fala de um ser que me deu calafrios e fez do meu café da manhã uma refeição amarga. Se não bastasse tudo que o mundo, que nosso país está enfrentado com essa pandemia cruel, temos ainda que combater a crueldade dessa doença chamada racismo. Desse câncer chamado machismo. Eu não vou citar o nome desse ser aqui na minha rede. Dona Rosália, minha mãe, mulher preta com muito orgulho, já dizia em seus sábios conselhos; “Elza, não dê palanque”. Tem um tipo de gente que mergulha no esgoto pra chamar atenção. Depois de pensar muito nessa situação horrível, eu resolvi falar de quem merece todos os aplausos. Você conhece a @majucoutinhoreal ? Eu conheço. Somos amigas! Maju é uma das maiores jornalistas e comunicadoras que esse Brasil, que o mundo já viu. Sim! Ela é mulher e negra e seu gênero ou cor da sua pele, não ajudaram ou a impediram se ser FODA! Maju venceu por seu talento, como tantas de nós vence diariamente, como vence a diretora de uma multinacional, como vence a dona de casa, mãe de família, que no fim do dia descansa com a sensação de dever cumprido e ao acordar tem que recomeçar tudo, porque pra ela nada vem de graça. @thelminha_assis não venceu por ser coitada. Eu não tive o prazer de conhecê-la ainda, mas com tudo o que vi e li sobre ela da pra afirmar que venceu porque é FODA, assim como Maju. Thelma é médica, bailarina e continua na batalha por seu maior prêmio. O reconhecimento do esforço que é igual a tantas de nós. Sujeito, escute!… horrível é falar pelos cotovelos e se achar melhor que outra pessoa, seja qual for sua cor ou gênero. Pra mim você faz tão mal a humanidade quanto esse vírus que estamos enfrentando. Guarde suas desculpas de internet pra si mesmo. Vai precisar delas quando se olhar no espelho. O mal que causou não tem volta. Não podemos mais tolerar esse discurso e acharmos que “fica tudo acertado” com um pedido de desculpas. Ahh… pra você que alimenta amizade com um sujeito desses, que utilizar os serviços do guia turístico que se autointitula “Prefeito de Orlando”, saiba… diga-me com quem andas e te direi quem és!

A post shared by Elza Soares (@elzasoaresoficial) on

Rita Batista, jornalista e apresentadora baiana, que trabalhou com Rodrigo no ‘Muito+’, vespertino exibido em 2012 na Band, também se pronunciou. Primeiro, ela publicou um comentário numa das fotos do ex-diretor. O posicionamento da jornalista, entretanto acabou apagado, e ela decidiu repostar em seu próprio perfil no Instagram, para deixar evidente. “Rodrigo, eu fui acordada pelas merdas que você falou, mais do que merdas, pelo crime que você cometeu. Racismo é crime. Essa lógica invertida que você e muitos brancos, por ignorância, por tradição ou por perversidade insistem em defender está errada. Já lhe dei aula, já desenhei, já escrevei, e já falei, de graça, porque você sabe bem o quanto cobro para dar uma palestra“, começou Rita.

Foi feio, bizarro e criminoso. Se a live fosse comigo – me desculpe, Jude Paulla, você sabe o que iria acontecer. Eu, Maju, Thelma e tantas outras somos do mesmo ‘massapê’. Mulher, preta e retinta. Você, como homem, branco, sentado nos seus privilégios, quando não soubesse o que dizer, não falasse nada, ou perguntasse a quem entende, sabe e vive na pele, literalmente o que os seus antepassados fizeram com os meus de chicote na mão, e o que você fez comigo nessa noite, usando a língua como um açoite“, comparou a jornalista, de forma cirúrgica.

Já a filósofa e escritora Djamilla Ribeiro analisou algumas das declarações de Rodrigo, em um texto ditático. “Branco se refere à Thelma como “negra coitada”, expressão comumente usada por racistas para, do alto dos seus privilégios, darem a entender que mulheres negras se fazem de vítimas para conseguir o que querem. E Branco completa: “quando ganhou a prova humilhou todo mundo”. Para Branco, quando uma mulher negra tem orgulho dos seus êxitos, ela é arrogante, nada humilde, pois para pessoas como ele precisamos estar sempre submissas, pedindo licença pra existir. Parafraseando Maya Angelou, pergunto: por que nossa altivez te ofende?“, questionou.

Sem problemas em seguir passando vergonha, Branco diz que Maju Coutinho é ruim e só está onde está porque é negra. Ora ora, Branco, desde quando mulheres negras rompem com algumas barreiras por serem negras? Isso é coisa de branco, Branco”, pontuou Ribeiro. Confira a íntegra da reflexão proposta, que fora elogiada por nomes como Ícaro Silva, Lea T, Pathy Dejesus, e Nathalia Dill, e repostada por Iza e Paulo Gustavo:

View this post on Instagram

Com tantas questões sérias pelas quais o país atravessa, tenho evitado comentar sobre algumas coisas. Porém, os comentários do empresário Rodrigo Branco ofendendo Thelma Assis e Maju Coutinho são a síntese da mediocridade branca. Não vou reproduzir o vídeo, os comentários são ofensivos, mas vamos analisar a fala criminosa. Branco se refere à Thelma como "negra coitada", expressão comumente usada por racistas para, do alto dos seus privilégios, darem a entender que mulheres negras se fazem de vítimas para conseguir o que querem. E Branco completa: "quando ganhou a prova humilhou todo mundo". Para Branco, quando uma mulher negra tem orgulho dos seus êxitos, ela é arrogante, nada humilde, pois para pessoas como ele precisamos estar sempre submissas, pedindo licença pra existir. Parafraseando Maya Angelou, pergunto: por que nossa altivez te ofende? Sem problemas em seguir passando vergonha, Branco diz que Maju Coutinho é ruim e só está onde está porque é negra. Ora ora, Branco, desde quando mulheres negras rompem com algumas barreiras por serem negras? Isso é coisa de branco, Branco. Os herdeiros das capitanias hereditárias, aqueles cuja fortuna, construída com sangue negro, passam de geração a geração, aqueles que, mesmo medíocres, estão ocupando os espaços de poder e privilégio. Só contratam a si mesmos, citam a si mesmos, são solidários entre os seus, tudo para manter o pacto narcísico da branquitude, como bem definido por Cida Bento. As poucas mulheres negras que rompem algumas barreiras, essas sim têm mérito. Pois mesmo com o racismo estruturando todas as relações sociais, nos negando oportunidade e possibilidades de existência, ainda têm que ouvir de privilegiados como você, que nunca precisou lutar na vida posto que parte do grupo dominante, falas criminosas. Nossa luta é para que mulheres como elas não sejam exceção. Em uma sociedade racista, capitalista e sexista, nunca nos deram nada. Tivemos que pegar à força o que era nosso por direito, por conta de pessoas como você que querem seguir deitadas eternamente em berço esplêndido. Parafraseando Maya Angelou, problema seu se nossa altivez te ofende.

A post shared by Djamila Ribeiro (@djamilaribeiro1) on

Fernanda Paes também reagiu. “Tem que expor sim o racista. Tem que divulgar bastante esse vídeo nojento que eu não conseguia ver, mas respirei fundo e segui até o fim. Meu respeito máximo a Maju Coutinho, Thelma Assis e Jude Paulla. Racismo é crime“, tuitou a atriz e apresentadora.

Amigo pessoal de Rodrigo, Padre Fábio de Melo disse ter ficado estarrecido. “Sei que muitos estão sabendo do episódio de racismo que envolveu meu amigo Rodrigo Branco. Nesta semana, ele proferiu agressões verbais à Thelma, do BBB, e à apresentadora Maju Coutinho. A sua fala me estarreceu. Eu não costumo colocar meu senso de justiça no bolso para defender os que amo. Quando tive um familiar preso por roubo, eu assumi a defesa de quem foi roubado. Rodrigo é um irmão que a vida me deu. Mas não assumo sua defesa. Não compactuo com o que ele disse. Mas não o abandono, pois sei que ele jamais me abandonaria“, escreveu no Instagram, acompanhado de um vídeo em que Babu Santana discorre sobre o racismo.

View this post on Instagram

Não acompanho o jogo. Sei pouco sobre os candidatos. Não tô aqui fazendo torcida pra ninguém. Quero apenas, com muita humildade, oferecer meu lugar de fala ao Babú. Em poucos minutos ele nos recordou que precisamos ressignificar o que dizemos. A mim sempre incomodou o simbólico negativo que atribuímos ao conceito de negro. Mas eu quero e preciso evoluir. O que digo influencia o que penso. É neste ciclo que preciso interferir. Há 7 anos eu escrevi um livro intitulado: “o discípulo da madrugada”, a história de um homem que só se encontrava com Jesus sob a proteção das sombras. Foi uma forma de ressignificar a noite. Lá eu disse: “sim, o escuro também me ilumina.” Sei que muitos estão sabendo do episódio de racismo que envolveu meu amigo Rodrigo Branco. Nesta semana, ele proferiu agressões verbais à Thelma, do BBB, e à apresentadora Maju Coutinho. A sua fala me estarreceu. Eu não costumo colocar meu senso de justiça no bolso para defender os que amo. Quando tive um familiar preso por roubo, eu assumi a defesa de quem foi roubado. Rodrigo é um irmão que a vida me deu. Mas não assumo sua defesa. Não compactuo com o que ele disse. Mas não o abandono, pois sei que ele jamais me abandonaria. Hoje, quando assisti a esse vídeo, vi uma oportunidade de tocar no fato, uma vez que tantos sabem de minha proximidade com ele. Babu nos alerta para o racismo da linguagem. Ele tem razão. Precisamos de uma profunda mudança de mentalidade. Thelma e Maju são duas mulheres grandiosas, mas não o são porque são “pretas”. São porque são. Mas não podemos negar que o caminho para elas foi muito mais difícil do que para os que nascem sob o “vergonhoso e infame privilégio da cor.” A exemplo de Zileide Silva, Glória Maria, Heraldo Pereira e tantos outros, elas nos recordam que seus espaços não lhes foram concedidos por piedade ou correção histórica, mas sim por competência, esforço e capacidade. Eu estou muito triste com o acontecido. E queria que tudo isso nos ensinasse. Pode ser que você também tenha algo a ser corrigido na mentalidade e suas expressões. Apresse-nos. Para que ataques como o do Rodrigo não se repitam. Para que a luz dos pretos nos livre da cegueira de nossa claridade.

A post shared by pefabiodemelo (@pefabiodemelo) on

Larissa Manoela, que costumava ser vista junto com Branco em Orlando falou em ‘choque enorme’. “Esse episódio me deixou estarrecida, indignada e, ao mesmo tempo, enganada. […] Confesso que pra mim e para os meus pais foi um choque enorme, por essa atitude ter vindo de uma pessoa que nós conhecemos e que até então não tinha tido esse comportamento insensato“, desabafou, chamando atenção para a gravidade do que fora cometido pelo empresário.

Não existe defesa para isso. Racismo é crime. É preciso assumir e se responsabilizar por essas atitudes. Suas falas invertem valores, inclusive os meus e distorcem a realidade em que vivemos. Brancos são privilegiados sim. Sempre foram. Você que está lendo pode não saber, eu não sei, e nenhum branco saberá o que é sofrer por causa da cor da sua pele. Tenho total noção do meu privilégio e, justamente por isso, não posso ficar calada. Ficar em silêncio seria compactuar com a dor e o sofrimento que esse tipo de fala e atitude provocam todos os dias. Racismo não!“, encerrou.

View this post on Instagram

Estamos vivendo em um tempo onde muitos de nós sentamos à noite em nosso sofá e somos presenteados com um dos programas de maior entretenimento do país. Não assisto @bbb de hoje! Eu acompanho a cada ano, mas confesso que esse ano me pegou de jeito! Lá dentro existem (e existiram, pois já foram eliminados) muitas pessoas que eu conheço. Gosto de prestigiar quem eu de alguma forma já tive contato ou acompanho através das redes sociais. Minha torcida ontem era pra @manugavassi ficar. Muito me admira a presença e postura dela no jogo, sensata, inteligente e humilde. Hoje em uma conversa com @babusantana sobre racismo, Manu perguntou ao Babu como é a maneira certa de se referir às pessoas que tem a pele de cor preta! Deem play, BABU DEU AULA. Incrivelmente o tema RACISMO debatido desde antes de ontem nessa rede social chegou dentro do BBB sem eles ao menos saberem o que se passa aqui fora. Um programa que abrange boa parte da população brasileira tendo representantes fortes debatendo sobre esse tema é muito potente. BABU, THELMA, MAJU e NENHUMA pessoa preta merece passar por tamanho preconceito. NÃO DA PRA ACEITAR ofensa, diminuição, julgamento, demérito, injúria. NÃO COMPACTUO com nenhuma palavra dita através de uma live feita nessa rede. Esse episódio me deixou estarrecida, indignada e, ao mesmo tempo, enganada. Infelizmente, muitas vezes ouvimos falar ou até mesmo presenciamos pessoas expressarem esse tipo de pensamento racista. Eu mesma interpretei uma personagem racista e confesso que sofria de verdade e que ficava muito mal ao interpretá-la. Mas fora do set sempre passei valores morais contrários aos da ficção, procurando conscientizar as pessoas de quão grave era essa atitude. Confesso que pra mim e para os meus pais foi um choque enorme, por essa atitude ter vindo de uma pessoa que nós conhecemos e que até então não tinha tido esse comportamento insensato. (continua nos comentários)

A post shared by Larissa Manoela (@larissamanoela) on

Bruno Rocha, jornalista, criador da persona Hugo Gloss e responsável por este site diz esperar por justiça no caso. “Meu posicionamento fica exposto aqui ao tratar do crime ocorrido. Quanto a mim, não tenho relação próxima com o Rodrigo, e não o vejo há anos. Ao meu ver, as palavras dele foram extremamente equivocadas, racistas e cheias de um discurso de ódio que espantam. Espero que o crime seja julgado, e que a justiça seja feita“, declarou.

O HugoGloss.com é visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações. Nossa equipe repudia o comportamento de Rodrigo Branco, e deixa aqui, a admiração pelas grandes mulheres que são Maju Coutinho e Thelma Assis. Seguiremos na luta por uma sociedade inclusiva e que respeite as diferenças.