Após retratação com Datena, jornalista volta atrás e mantém acusações de assédio sexual contra apresentador: “Não menti. Fui induzida”; entenda!

No último final de semana, Leo Dias divulgou uma carta de retratação de Bruna Drews, jornalista que havia entrado com um processo contra José Luiz Datena por assédio sexual. No entanto, nesta segunda-feira (28), a ex-repórter da Band resolveu se pronunciar novamente, alegando ter sido induzida a assinar o documento em que negava suas acusações, feitas em janeiro deste ano. Eita!

Em um post no seu Instagram, a jornalista explicou que teria sido “induzida a fazer um acordo” e que as coisas não foram exatamente conforme divulgado. “Eu não menti. Fui induzida e mal orientada a assinar um documento que não condiz com a realidade”, escreveu Bruna. Segundo ela, a situação teria se invertido, com ela sendo acusada de calúnia e difamação, por fim. Antes disso, no entanto, a repórter teve de ver seu processo arquivado.

Bruna Drews afirma que Datena a assediou em uma confraternização do programa que faziam juntos. (Foto: Reprodução/Band)

“A verdade é que meu processo de assédio sexual contra o apresentador inexplicavelmente foi arquivado. Não houve investigação policial, meu depoimento não foi colhido e nenhuma testemunha foi ouvida. A justiça não me permitiu brigar pelos meus direitos”, alegou Drews em sua rede social. Passado tudo isso, ela contou que já não tinha mais “condições psicológicas e financeiras para encarar mais esta briga”.

Post de Bruna Drews em que resolveu voltar atrás em sua retratação contra Datena (Foto: Reprodução/Instagram)

Continua depois da Publicidade

Bruna afirmou que assinou o documento sem ter total noção das implicações legais que aquilo teria. Mesmo assim, refletindo sobre a decisão com sua família, ela decidiu voltar atrás publicamente. “Assinei tal carta na intenção de recuperar a minha saúde física e mental e enterrar o ocorrido. Ontem, em uma reunião com meus familiares, que sofrem junto comigo todos os reflexos do ocorrido, decidimos não fugir da luta e acreditar que em algum momento a justiça será feita”, disse ela.

“Mais uma vez digo: EU NÃO MENTI. Mulheres que passaram por isso sabem como é difícil encarar essa briga e vence-la”, continuou Bruna. Na conclusão de sua declaração, a jornalista fez questão de mencionar que não teria recebido nenhuma compensação financeira para se retratar e livrar o apresentador da acusação. Também acrescentou que apenas aguarda para se “livrar de uma situação que estava acabando com a [sua] saúde”. Confira a declaração na íntegra:

View this post on Instagram

Carta aberta a quem interessar : Eu não menti. Fui induzida e mal orientada a assinar um documento que não condiz com a realidade . A verdade é que meu processo de assédio sexual contra o apresentador inexplicavelmente foi arquivado. Não houve investigação policial, meu depoimento não foi colhido e nenhuma testemunha foi ouvida. A justiça não me permitiu brigar pelos meus direitos . A situação se inverteu e acabei processada por calúnia e difamação, mas não tinha condições psicológicas e financeiras para encarar mais esta briga.Fui induzida a fazer um acordo. No entanto, não estava totalmente consciente das consequências cíveis e criminais de declarar fatos que não aconteceram; somente o fiz porque pensei que assim se encerrariam todos os processos. Os fatos aconteceram como eu havia declarado inicialmente mas a outra parte envolvida conseguiu reverter inexplicavelmente a situação. Assinei tal carta na intenção de recuperar a minha saúde física e mental e enterrar o ocorrido. Ontem em uma reunião com meus familiares, que sofrem junto comigo todos os reflexos do ocorrido, decidimos não fugir da luta e acreditar que em algum momento a justiça será feita . Mais uma vez digo: EU NÃO MENTI . Mulheres que passaram por isso sabem como é difícil encarar essa briga e vence-la. Por último , quero deixar claro que não recebi nenhuma compensação financeira para cometer o ato errôneo de assinar a tal carta. Sigo com a minha moral e integridade intactas . Minha consciência está tranquila. Tudo o que eu mais quero é me livrar de uma situação que estava acabando com a minha saúde .

A post shared by Bruna Drews (@brudrews) on

Continua depois da Publicidade

O blog do jornalista Mauricio Stycer entrou em contato com Datena após a publicação de Bruna, que lamentou o fato dela ter insistido nessa questão. “A decisão já foi homologada pela justiça. Só ler o texto da declaração onde ela reconhece a mentira que contou e pede desculpas a mim e minha família, de livre e espontânea vontade (está no texto)”, respondeu a figura à frente do “Agora é Domingo”.

Para o jornalista, a moça continua, supostamente, “mentindo”. Por isso, ele aproveitou para defender novamente sua inocência. “[Bruna] reconhece que mentiu, prejudicou a mim e minha família e quer continuar mentindo perante um documento assinado perante a Justiça. Reitero que tais fatos como esta moça conta nunca aconteceram”, rebateu Datena.

Na nota de retratação publicada por Leo Dias, assinada pela jornalista em um cartório, Bruna Drews pediu desculpas por tudo o que aconteceu. O texto menciona que as acusações de assédio “não condizem com a realidade e nunca ocorreram”, além de trazer uma renúncia dela a qualquer direito de indenização pelo suposto crime. Veja aqui o texto completo:

“A presente se trata de uma retratação em razão de processo judicial, movido por mim, que afirmei ter sido vítima de assédio moral em transmissões do programa de televisão Brasil Urgente da emissora, Band, em confraternização ocorrida em 7 de junho de 2018 e em outras oportunidades. Ainda esclareço que tais fatos não condizem com a realidade e nunca ocorreram; sendo que os vídeos dos programas ao vivo, juntados aos autos, não passaram de brincadeira, consignando que não me senti constrangida com referido evento e aproveito esta declaração para também pedir desculpas ao senhor José Luiz Datena e sua família pelos transtornos causados, pretendendo que a presente retratação sirva para restabelecer qualquer dúvida sobre a sua idoneidade. E, por fim, expressamente renuncio a qualquer direito e a eventuais reflexos relacionados com o pedido de indenização decorrentes de assédio sexual e moral alegado, perante todos os órgãos administrativos e judiciais, em qualquer grau de jurisdição, nas esferas trabalhista, civil e criminal”.

Continua depois da Publicidade

Relembre o caso:

Em janeiro, ficamos sabendo que Bruna Drews havia entrado com um processo no Ministério Público de São Paulo contra o apresentador José Luiz Datena. De acordo com o que revelou o Notícias da TV, Bruna acusava Datena de tê-la assediado sexualmente em junho do ano passado.

Segundo a reportagem, a situação teria ocorrido durante uma celebração do fim das gravações de um quadro do programa “Agora é com Datena”, em um bar da região central de São Paulo. Na denúncia feita por Bruna, ela afirma que Datena teria lhe dito que ela não precisava emagrecer “porque já era muito gostosa”. Além disso, ele teria dito várias vezes que se masturbava pensando na profissional e que julgava ser um “desperdício” ela ser lésbica. “Eu batia p*****a pra você antes e depois do programa”, o apresentador de 64 anos teria confessado à Bruna.

Datena se manifestou sobre as acusações de assédio no “Brasil Urgente”. (Foto: Reprodução/Band)

Continua depois da Publicidade

No entanto, Datena nega que essa situação aconteceu e diz que tem suas próprias testemunhas para provar seu lado da história. “Isso não é verdade, é falso. Eu disse para ela que ela era uma pessoa bonita. Dizia no ar, pra todo o Brasil ouvir, [que é] bonita e competente. Ela nunca reclamou, só me agradeceu por tratá-la bem”, garantiu Datena. “Um dia, durante as gravações do quadro A Fuga, ela estava muito magra, passou mal e eu pedi para que ela fosse atendida. Na comemoração, repeti a ela que ela era muito bonita e que não precisava emagrecer, porque ela já era era competente. Tirando isso, todo o resto é mentira, calúnia e delírio”, completou.

No “Brasil Urgente”, o jornalista se mostrou abalado e chateado pela acusação, mas reiterou que não desistiria de brigar por sua inocência. “Agora, se uma pessoa, independente de ser mulher ou não, me acusa de uma maneira vil, é claro que eu vou ter que responder a isso e pedir que a Justiça faça justiça, mostre a pura verdade, porque eu vou continuar trabalhando, fazendo meu papel, que sempre fiz. Me abater, é claro, abate qualquer ser humano, mas não vai me abalar a ponto de quebrar minhas pernas. Já enfrentei muita gente perigosa, enfrento até hoje. Já enfrentei muita calúnia, muita mentira, gente que achava que iria me destruir porque eu falo a verdade. Não é dessa vez que vou dobrar os meus joelhos, de forma alguma“. Assista: